Zagueiro investigado pela morte de motociclista admitiu bebedeira

Renan teve o contrato rescindido por justa causa pelo Palmeiras e pelo Red Bull Bragantino. Foto: Raul Silfuentes/POOL/AFP via Getty Images
Renan teve o contrato rescindido por justa causa pelo Palmeiras e pelo Red Bull Bragantino. Foto: Raul Silfuentes/POOL/AFP via Getty Images

Investigado pela morte de um motociclista no interior de São Paulo no mês passado, o zagueiro Renan pode ter sua situação complicada após o depoimento de duas testemunhas do acidente automobilístico.

Dois motoristas que passavam pela rodovia Alkindar Monteiro Junqueira no momento da colisão, por volta das 6h40 do dia 22 de julho, foram ouvidos pela Polícia Civil de Bragança Paulista.

Leia também:

Reportagem do portal Uol, que teve acesso aos relatórios desses depoimentos, apurou que após atropelar e matar Eliezer Pena, o zagueiro chorou e admitiu que estava bêbado. Além disso ele vomitou, chegou a tomar dois litros de água trazidos por uma pessoa não identificada e urinou às margens da rodovia, próximo ao local do acidente.

"Em seguida o condutor do veículo [Renan] entrou no carro e ficou deitado no banco de trás, saiu, sentou no chão, começou a chorar e vomitou. Após alguns instantes, chegou ao local uma moça conduzindo um veículo Ford Ka cor branca, placas não anotadas, a qual foi prestar assistência ao condutor do veículo e lhe deu bastante água para beber, cerca de dois litros, que estava armazenado em uma garrafa pet e logo em seguida o condutor do veículo começou a urinar", informa o relatório.

O jogador se recusou a fazer o teste do bafômetro no local e um exame clínico feito quatro horas depois do acidente atestou que Renan não estava alcoolizado.

Um motorista de caminhão relatou que foi ultrapassado por Renan em uma curva, onde a faixa contínua indicava a proibição da manobra. Outra testemunha viu o carro do jogador trafegando pelo acostamento.

Procurado pela reportagem do Uol, o advogado Roberto Podval, que trabalha na defesa do jogador, afirmou que o depoimento das testemunhas "não parece verossímil". Vale lembrar que na última semana o promotor Rogério Filócomo, pediu a Justiça que autorizasse que a fiança que o jogador pagou para deixar a cadeia, no valor de de R$ 242 mil, fosse destinada à viúva de Eliezer Pena e o depósito já foi feito.

O jogador de 20 anos teve o contrato rescindido por justa causa pelo Palmeiras e pelo Red Bull Bragantino e agora procura novo clube.