Zagueiro Dória planeja disputa da Copa do Mundo pelo México

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Revelado pelo Botafogo, Dória conquistou a torcida no México e trocou de nacionalidade.
Revelado pelo Botafogo, Dória conquistou a torcida no México e trocou de nacionalidade. Foto: (Carlos Zepeda/Jam Media/Getty Images)

Dez anos depois de sua estreia, no Estádio Major Couto Pereira, na vitória do Botafogo contra o Coritiba por 3 a 2, onde o zagueiro Matheus Dória marcou um gol contra em seu segundo toque na bola como profissional, o agora estabilizado profissional, há quatro anos atuando pelo Santos Laguna, do México, realizou o processo de naturalização e poderá atuar pela Seleção Mexicana.

Em entrevista ao ge, Dória comentou sobre o convite para realizar o processo de naturalização e se tornar mexicano e as possibilidades de atuar pela Seleção Mexicana em uma Copa do Mundo: "Minha família, minha esposa, minhas filhas, todo mundo que vem aqui me visitar fica muito feliz. A estrutura que o clube oferece para trabalhar, o plano de carreira que tenho dentro do clube é uma coisa que eu nunca tive em nenhum outro lugar. Então eu estou mais do que adaptado. Estou em casa, real. Estou no processo de naturalização. Acho que mais alguns meses devo estar recebendo minha cidadania, dar entrada nos passaportes e tudo isso para ser mexicano. Tem muita coisa que leva tempo. Mesmo que eu fosse o mais otimista possível, tem gente que está no processo de Copa do Mundo há quatro anos e eu não vou chegar, é até falta de respeito chegar com um mês lá e ir. Obviamente que se desse e eu fosse chamado não iria recusar, mas com o tanto de burocracia que gera, não tem como".

Leia também:

O convite para 'deixar de ser brasileiro' partiu do presidente do seu clube e Dória respondeu imediatamente: "Juntamente com o presidente do clube, tinha essa oportunidade aparecendo e disse que era claro que eu queria. Não tinha que perguntar nada a ninguém. Hoje sou capitão do time. Hoje, as coisas que acontecem no clube, o dono confia bastante em mim para ter uma conversa aberta tanto quando vai mal, quanto quando vai bem. Além de devolver o carinho das pessoas. Não tenho como só dizer 'Obrigado pelo carinho, povo mexicano'. Eu posso devolver esse carinho e esse amor que o povo tem por mim dentro de campo, jogando e ajudando dentro de campo se Deus quiser".

Além de falar sobre o processo de naturalização, o zagueiro comentou sobre um possível retorno ao Botafogo, uma vez que agora o clube está se reestruturando financeiramente: "Nunca fecho a porta pra ninguém, você não sabe o dia de amanhã... Deus queira que não, mas às vezes as coisas não vão bem, ou então aparecem dois, três zagueiros melhores e que interessam ao clube e eu não estou mais no mesmo nível que antes... Temos que estar sempre prontos para quando a oportunidade aparecer".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos