Zada aposta em entrega do Volta Redonda em jogo que pode dar acesso à Série B

Zada é o diretor do Volta Redonda (Foto: André Moreira/VRFC)


Agora é "final". Chegou a partida que todos os torcedores do Volta Redonda esperavam. O que pode ser o jogo do acesso. O Volta Redonda chega na última da Série C com chance de acesso à segunda divisão do Brasileiro de 2023. O Gerente de Futebol, Zada, detalha a longa caminhada que foi 2022.

- Sem dúvida esse ano foi de fortes emoções e, por incrível que pareça, a tristeza do rebaixamento (do Carioca) foi transformada em vontade de não perder a essência e o objetivo da nossa gestão. Ou colocávamos as coisas no eixo ou estaríamos fadados a ir de ladeira abaixo, pois já vimos histórias de clubes de tradição que caíram em campeonatos estaduais, depois em Brasileiros até chegar a não ter divisões e o clube fechar as portas. Portanto, essa “virada de chave” pós-rebaixamento foi essencial e esse trabalho em equipe moldou um grupo forte e comprometido em colocar o clube no seu devido lugar.

O Volta Redonda foi rebaixado no Campeonato Carioca no começo do ano, mas garantiu o acesso de volta à elite estadual ao ser campeão da segunda divisão no mês passado ao superar o Olaria na decisão.

- Conquistar o acesso trouxe tranquilidade e autoconfiança para todos. Muitos atletas atingiram níveis acima do esperado e com isso os resultados foram vindo naturalmente. Tenho convicção que o acesso foi fundamental para toda engrenagem colher os frutos. Podemos ainda conquistar uma vaga na Copa do Brasil e sacramentar com um acesso à série B. Conseguimos o acesso novamente ao Carioca. Estamos na semifinal da Copa Rio e agora teremos nossa "final de Copa do Mundo" domingo diante do Botafogo. Chegamos vivos e conscientes da árdua missão que teremos. O grupo se fortaleceu, criamos um ambiente favorável e familiar, os atletas também entenderam a luta e necessidade de dedicação que teríamos pela frente. Vamos até a última gota de suor para conseguir o nossos objetivos nessa reta final. É essa a “atmosfera” do grupo hoje - afirmou.

A logística da temporada foi a mais desgastante para Zada, mas com muito planejamento e dedicação ele acredita que isso foi superado:

- O desgaste é natural. Foi um ano de muitas partidas, viagens de ônibus, aeroportos e também extremamente difícil mentalmente. Estamos jogando no limite do cansaço. Atletas, Comissão Técnica e Staff, todos sobrecarregados, mas a confiança no trabalho segue firme e vamos lutar com todas as forças nessa reta final em busca dos nossos objetivos. Vamos entrar em campo e pensar em um passo de cada vez. Chegar aos 90 minutos com a consciência tranquila que deixaremos tudo dentro do campo - confessou.

Para Zada, a tarefa é difícil, mas não impossível, assim como foi a temporada para o Volta Redonda. Ele confia no grupo e na torcida do Esquadrão de Aço.

- Sabemos que para vencer uma equipe qualificada como a do Botafogo-SP é difícil, mas temos um grupo à altura para isso e uma torcida maravilhosa. Estamos confiantes em um excelente jogo domingo. Nosso torcedor pode acreditar que não iremos decepcioná-los no Raulino - explicou.

O Volta Redonda entrará em campo no domingo, às 17h, contra o Botafogo-SP, no estádio Raulino de Oliveira, precisando da vitória por três gols e de um resultado positivo do Mirassol diante do Aparecidense para conquistar o acesso.