Willian Arão deixa o Flamengo com status de ídolo? Comentaristas e torcedores divergem

Willian Arão deixará o Flamengo a caminho do Fenerbahçe (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)


Reforço do Fenerbahçe (TUR), Willian Arão deixa o Flamengo após mais de seis anos, 377 jogos e dez títulos. Mesmo diante de números significativos, o volante se despede do clube com a torcida dividida em relação ao seu status. Enquanto uma parte o considera ídolo, outra apenas o vê como um jogador vitorioso na história rubro-negra.

+ GALERIA: veja imagens do primeiro dia de treino de Vidal no Flamengo

Apesar de saber que a questão da idolatria é subjetiva e varia de acordo com cada torcedor, o LANCE! conversou com jornalistas para entender o tamanho do atleta e propôs um desafio: “Com qual selo você classifica Willian Arão na história do Flamengo: (1) Ídolo, (2) Jogador importante, (3) Cumpriu a função ou (4) Deixou a desejar? Por quê?”.

Confira abaixo as respostas dos jornalistas:

João Guilherme (narrador dos canais Disney) - Jogador Importante

Pelo que aconteceu no período de Jorge Jesus, quando ele foi uma peça-chave para o esquema do português, eu acho que ele merece ser apontado como um jogador importante na história do Flamengo. Antes do Jorge Jesus, ele chegou a ter bons momentos, mas era muito criticado e contestado pela torcida. Depois da saída do JJ, ele voltou a ser um alvo da torcida do Flamengo. Muitas vezes com razão, ele falhou muito. Mas, ao mesmo tempo, ele foi um jogador importante e decisivo em muitos momentos. Então, pela fase vivida com o JJ, ele está na história do Fla e é, sem dúvida, um jogador importante.

Bruno Formiga (jornalista do TNT Sports) - Cumpriu a Função

Acho que, no geral, ele cumpriu a função. Foi um cara que fez bem o papel dentro de um time que foi importante. Foi injustamente rotulado e exageradamente criticado.

+ Arão se despede do Fla: 'Estou na história desse clube gigantesco'

Luiz Penido (locutor da Rádio Tupi) - Cumpriu a Função

Cumpriu a função dando na média o que se esperava dele. Um bom jogador, mas cujo valor depende demais de esquemas táticos que não peçam grandes soluções dele. Isso é coisa para craque. Ele não é um craque, mas um jogador que foi útil para o elenco. Entregou ao Flamengo proporcionalmente ao que recebeu. Bem vendido, porque, pela idade, era essa a hora.

Luiz Fernando Gomes (jornalista) - Jogador Importante

A própria história dele no clube confirma isso. No troca-troca de técnicos nos últimos anos, ele nunca perdeu a posição, independentemente do esquema adotado. E da relação de amor e ódio que manteve com a torcida.

Gilson Ricardo (comentarista da Rádio Tupi) - Jogador Importante

Foi um jogador importante para o time. Disciplina e vontade nunca faltaram. Não foi um super jogador, mas vestiu o manto como profissional dedicado. Vinha sendo vaiado injustamente. Saiu na hora certa: bom para o clube e bom para ele.

TORCEDORES TAMBÉM SE DIVIDEM

Em enquete promovida pelo LANCE!, a torcida do Flamengo também se dividiu ao classificar o status de Willian Arão ao deixar o clube. Apenas 2% dos votos separaram as opções "Ídolo" e "Jogador importante", com pequena vantagem para a segunda. Confira, a seguir, o resultado:

Ídolo - 36%
Jogador importante - 38%
Cumpriu a função - 27%

TRAJETÓRIA DE ARÃO NO FLAMENGO

Willian Arão chegou ao Flamengo no início de 2016 e, seis anos e meio depois, se despede como o jogador do elenco há mais tempo no clube. Com a camisa rubro-negra, disputou 377 jogos, marcou 35 gols e se tornou um dos jogadores mais vitoriosos na história.

Ao todo, foram dez títulos conquistados: Libertadores (2019), dois Brasileiros (2019 e 2020), duas Supercopas do Brasil (2020 e 2021), uma Recopa Sul-Americana (2020) e quatro estaduais (2027, 2019, 2020 e 2021).

+ Confira a tabela do Brasileirão e simule os resultados

Após anos irregulares, a história de Arão no Flamengo mudou a partir de julho de 2019. Com a chegada de Jorge Jesus, ele cresceu de produção e se tornou peça-chave da equipe que encantou o Brasil e foi multicampeã. Após a saída do português, seguiu como titular e também se destacou quando foi improvisado na zaga por Rogério Ceni na campanha do octacampeonato brasileiro, em 2020.

As falhas, no entanto, acompanharam o atleta em toda a passagem no Flamengo. Até mesmo na fase vitoriosa, o atleta cometeu erros nas finais da Libertadores e da Recopa Sul-Americana, por exemplo. Em 2022, o volante perdeu a condição de titular absoluto e passou a ser tratado como negociável pela diretoria rubro-negra.

A pedido de Jorge Jesus, com quem viveu a melhor fase da carreira, Arão assinou com o Fenerbahçe por duas temporadas, com a opção de extensão para um terceiro ano. A venda renderá três milhões de euros (cerca de R$ 16 milhões) aos cofres do Flamengo.

* Em colaboração para o LANCE!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos