Vitor Ramalho, do João Pessoa Espectros, é o grande pontuador da temporada regular da Liga BFA

Anderson Silva/João Pessoa Espectros


Cruzar a endzone, seja recebendo um lançamento seja driblando seus adversários em uma corrida, é uma das maiores emoções de um jogador ofensivo do esporte da bola oval. E, nesta edição da Liga Brasileira de Futebol Americano (Liga BFA), nenhum atleta sentiu tanto esse gostinho quanto o wide receiver Vitor Ramalho, do João Pessoa Espectros.

De acordo com levantamento publicado pelo perfil do Instagram Mapa do FABR nesta semana, Vitor Ramalho anotou sete TDs nas quatro partidas feitas pelo João Pessoa Espectros nesta edição da Liga BFA. Na sequência aparecem, Cornell Brown (Carrancas), Jean Barbosa (Itajaí Almirantes), Jonatha Carvalho (João Pessoa Espectros), Ray Bradley (Ufersa Petroleiros) e Rodrigo Agueda (Vasco Almirantes), todos com seis touchdowns.


Um dos jogadores históricos do João Pessoa Espectros, Vitor Ramalho destaca a representação de liderar essa marca, que é um dos princípios básicos dos wide receivers.

“Individualmente, é gratificante (liderar a lista). No início do ano, sofri uma lesão no ombro e precisei de cirurgia. Cogitei até ficar afastado dos gramados por um tempo. Mas eu tive o apoio de uma galera sensacional: Brunão (Bruno Barbosa), Reginaldo e Jessica são três nomes importantes para essa minha volta tão boa. Sem eles, não teria conquistado esses números”, destaca.

“Um amigo meu, que também foi wide receiver, dizia que o recebedor é o caminho mais rápido para o touchdown. Um passe, uma recepção e touchdown. É um indicador de que estou ajudando meu time a buscar o terceiro título nacional. Eu nunca estive nessas listas ao final da temporada regular, muito menos no topo. Isso motiva a buscar o melhor sempre”, completa.

O ótimo rendimento de Vitor Ramalho também é justificado pelo excelente entrosamento com o quarterback Rodrigo Dantas, que voltou de lesão nesta temporada após se machucar gravemente no Brasil Bowl de 2018. Apesar de tanto tempo sem atuar juntos, no primeiro jogo desta temporada, Dantas deu três passes para Ramalho na vitória sobre o São Bento Snakes.

“Quando eu comecei a jogar de slot, lá em 2012, o Dantas assumiu o time na primeira partida da temporada regular. De lá pra cá, o único QB diferente que eu joguei foi o Alex Niznak em 2019. A facilidade que vocês percebem foi construída por dez anos de treinos todas as semanas, com muito suor e dedicação de ambos. Desses anos sem jogar, só em 2019, que, de fato, a gente não chegou a treinar juntos (em função da lesão)”, explica.

Sobre a preparação do João Pessoa Espectros para os playoffs da Liga BFA, Vitor Ramalho ressalta que o time está buscando evolução desde o fim da importante vitória no clássico contra o Recife Mariners, por 10 a 7, no encerramento da temporada regular para as duas equipes favoritas da Conferência Nordeste.

“Comemoramos a vitória em cima do time de azul até a meia-noite do dia daquele jogo. Na segunda-feira já iniciamos a preparação para os playoffs. Conseguimos o seed #1 que nos dá um conforto de tempo e mando de campo e sabemos que qualquer erro agora pode custar o nosso objetivo final”, afirma.

E, apesar de muitas caras novas no João Pessoa Espectros nesta temporada, Vitor Ramalho confia que a equipe continua muito forte na defesa do título da Liga BFA.

“Essas caras novas podem ser para uma parte do Brasil. Para nós, do João Pessoa Espectros, muitos estão tentando o seu lugar ao sol desde 2016. O wide receiver Bruno Lucena, por exemplo, entrou no time com um projeto de escolinha que a gente tinha. Em 2017, ele conseguiu chamar a atenção dos técnicos e dos outros jogadores, no ano seguinte ele evoluiu bem e, em 2019, foi titular no Brasil Bowl. Agora, em 2022, ele está em sua melhor forma, com direito a jogos com mais de 100 jardas. E temos muito mais atletas assim. Raphael Martins, Gabriel Rodrigues e Felipe ‘Finizola' são alguns nomes que estão prontos para serem notados pelo resto do país”, comenta.

Desde 2010 no João Pessoa Espectros, Vitor Ramalho é bicampeão da Liga BFA (2015 e 2019) e decampeão da Conferência Nordeste. O wide receiver da equipe paraibana também já foi convocado para a seleção brasileira de futebol americano, o Brasil Onças, para um training camp em 2016.