Vice de Castro deve ser definido hoje com União Brasil; governador fala em 'quatro ou cinco' nomes

Uma jantar nesta quinta-feira, com presença do governador Cláudio Castro (PL) e de Antônio de Rueda, presidente do União Brasil, deve ser decisivo para a escolha de um substituto para Washington Reis (MDB) como vice na chapa do postulante à reeleição ao Palácio Guanabara. Após decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) que barrou a candidatura de Reis, a expectativa do União Brasil, o maior partido na coligação de Castro, é indicar o novo vice. Tanto o governador quanto Rueda ainda não descartam a manutenção do ex-prefeito de Duque de Caxias na corrida. Mas, em agenda de campanha nesta quinta-feira, Castro confirmou que há "pelo menos quatro ou cinco possíveis nomes" em análise.

Leia: Após derrota de Reis no TRE, saiba quem são os favoritos para ocupar a vaga de vice na chapa de Castro

Pesquisa Ipec: Castro cresce e continua na liderança na disputa por governo do Rio com 37%; Freixo soma 22%

Nos bastidores, do União Brasil são cogitados Vinicius Farah, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico de Castro e ex-prefeito de Três Rios; o deputado estadual Márcio Canella, ex-vice-prefeito de Belford Roxo; e o vereador do Rio Alexandre Isquierdo. Mas também são ventilados Dr. Luizinho (PP) e o próprio irmão de Reis, Rosenverg Reis (MDB). Ao GLOBO, ele não quis se comprometer.

— Tem muitos bons nomes, e eu tento não falar especificamente de um. Mas há pelo menos quatro ou cinco possíveis nomes. Lembrando que ainda não está tomada a decisão da troca. Eu solicitei aos advogados da campanha que ainda hoje me dessem um parecer para entender se há a necessidade. Não havendo, continuo com Washington Reis. Ainda cabe recurso — disse Castro durante uma visita ao Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer, no Centro do Rio.

Condenado no STF: Por 6 votos a 1, TRE-RJ nega registro de candidatura de Daniel Silveira

Após o indeferimento da candidatura, que ocorreu há dois dias, até a próxima segunda-feira ainda cabe recurso por parte de Reis. O dia 12 é a data limite para o julgamento das ações no TSE e substituição de candidatos a cargos majoritários. Rueda também diz ainda ter a esperança de que "a candidatura de Washington Reis seja firmada". Mas defende que, em hipótese contrária, o União Brasil teria o "direito a essa vaga", conforme negociado na formação da coligação.

— Temos quadros muito importantes no partido. O Washington Reis vai ter papel importante nessa decisão. Ele é uma personalidade (da política) fluminense — afirmou Rueda ao GLOBO.

Disputa pelo Senado: Ceciliano acena a Castro e Neves para crescer nas pesquisas

Fontes revelaram que o partido já se reuniu na manhã desta quinta-feira. A expectativa externa é que, ainda hoje, haja a definição. Sobre esta escolha, o governador, no entanto, reiterou que cabe apenas a ele, por ser cabeça da chapa.

— Existe um processo de diálogo, mas a escolha final é minha com certeza. A minha ideia é fazer uma boa parceria — disse Castro.

Momento decisivo: Cacique do União cobra Castro por vice: 'Fiz acordo para ser cumprido'

Inicialmente, Vinicius Farah avançava como favorito ao posto, visto como um nome que agrada "a gregos e troianos" do União Brasil. Mas de última hora teria ganhado força a opção de Márcio Canella. Um dos caciques do partido, ele seria o favorito de Reis, de quem é amigo. Outro fator que pesaria a favor dele seria o entendimento de que o ex-prefeito de Belford Roxo supriria o potencial eleitoral de Reis na Baixada Fluminense.

Durante a agenda de campanha nesta quinta-feira, na porta do Instituto do Cérebro cerca de dez pessoas carregando bandeirolas esperavam a chegada de Castro. Nas bandeiras de campanha, ainda consta o nome de Washington Reis como vice. O Instituto inaugurará em até 180 dias uma nova ala de enfermaria e Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Infantil com 49 e dez leitos, respectivamente. Uma ala de fisioterapia também será montada no local. Sobre as melhorias que pretende fazer, ele prometeu continuar descentralizando o atendimento.

— Vou terminar esse processo de descentralização do grande gargalo. Hoje temos o excesso de centralização e muitas vezes a pouco oferta dos serviços, principalmente no interior que faz as pessoas terem que migrar para a capital — afirmou o governador.