Vaquinha é criada para fundar Instituto Leandro Lo

Iniciativa foi criada por amigos de Leandro Lo, que buscam homenagear o atleta brasileiro assassinado.
Iniciativa foi criada por amigos de Leandro Lo, que buscam homenagear o atleta brasileiro assassinado. Foto: (ILAN PELLENBERG/AFP via Getty Images)

Manter o legado de pessoas inspiradoras é uma forma de fazer com que elas continuem refletindo seus conhecimentos mesmo após o falecimento. Uma vaquinha criada por amigos do lutador de jiu-jitsu Leandro Lo, assassinado no último domingo, após uma briga em um show de pagode em um clube em São Paulo, que busca fundar o Instituto Leandro Lo, já arrecadou mais de 20 mil dólares, aproximadamente R$ 102 mil na cotação atual.

Amigos, patrocinadores e praticantes da arte marcial se engajaram e, em menos de um dia, conseguiram arrecadar a quantia que já torna possível a abertura da entidade em homenagem ao lutador que foi oito vezes campeão mundial de sua modalidade.

Leia também:

Descoberto pelo projeto social Lutando Pelo Bem, que tem como organizador o mestre Cícero Costha, Leandro Lo era bem quisto e respeitado por todo o meio esportivo. A meta inicial é de arrecadar 100 mil dólares, cerca de R$ 500 mil na cotação atual, para que a família do lutador receba os valores e seja responsável pelo Instituto, que será administrado em parceria com seus amigos e colegas de treino.

Entenda o caso

No último domingo, Leandro Lo estava acompanhando o show do Grupo Pixote, junto de alguns amigos, no Esporte Clube Sírio, na Zona Sul de São Paulo, quando um homem iniciou uma confusão com seu grupo. Lo, prontamente, o imobilizou e afastou do local, visando terminar com o imbróglio. Acontece, porém, que o homem era o tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Henrique Velozo, que disparou um tiro, à queima roupa, na cabeça de Leandro Lo, que ainda foi chutado por Velozo outras duas vezes enquanto estava desacordado. O lutador foi levado para o hospital mais próximo da região, mas não resistiu e teve morte cerebral decretada.