Vítor Pereira sobe o tom na coletiva e explica escalação do Corinthians

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.03.2021 - O técnico português Vítor Pereira, do Corinthians. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.03.2021 - O técnico português Vítor Pereira, do Corinthians. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Pouco depois da eliminação do Corinthians nas quartas de final da Libertadores, com derrota por 1 a 0 para o Flamengo, o técnico Vítor Pereira subiu o tom em sua coletiva de imprensa. Ele defendeu sua gestão de elenco e valorizar a campanha alvinegra na competição.

"Os medalhões não jogam porque nós não podemos jogar com uma equipe e depois tirar inteira para colocar outra [de um jogo para outro]. Não temos esta solução toda. Tivemos que jogar três dias atrás, e senti que alguns deles estavam no limite físico. Só quem não sabe nada de futebol, nunca treinou na intensidade que se joga agora, não entende que tem de fazer substituições. Eles seriam incapazes de fazer a pressão", afirmou o treinador, referindo-se ao empate contra o Avaí no último sábado (6).

"Não dá para jogar a cada três dias, o jogador não responde. O Renato jogou 30 minutos no último jogo, hoje jogou 45, tem que ser com cuidado. O Balbuena estava cansado, com fadiga, por isso alguns erros que não são normais dele. O Róger foi ao limite? Não podíamos vir aqui desequilibrados", continuou Vítor Pereira, que a certa altura rebateu.

"Quais são os medalhões? Quais são os jogadores que diziam que eu tinha de usar no jogo? Eu às vezes me perco. O Giuliano tem jogado os jogos todos. Quando joga, é criticado; quando não joga, deveria jogar. Eu não entendo. O nosso trabalho é competente, rigoroso. Se temos de fazer gestão, é porque sinto que temos de fazer gestão. Estou orgulhoso daquilo que a equipe fez. Estrategicamente foi um jogo bem trabalhado até o gol deles", completou o técnico do Corinthians.

Vítor Pereira também valorizou a campanha do Alvinegro na Libertadores. Questionado sobre as duas vitórias e cinco gols em dez partidas na competição, o técnico voltou a subir o tom.

"Quando o Corinthians chegou a esta fase [quartas de final]? Há quanto tempo não chegava? Há 10 anos? Está aí a resposta. Tivemos dez jogadores fora [por desfalque] a uma altura. O Corinthians foi eliminado pelo Flamengo, que tem um elenco. Não podemos comparar uma coisa com a outra", argumentou o treinador.

VP e o Corinthians agora voltam suas atenções ao Brasileiro e à Copa do Brasil. O time tem clássico contra o Palmeiras no sábado (13), em casa, pelos pontos corridos; e quatro dias depois precisa reverter a desvantagem por 2 a 0 contra o Atlético-GO no mata-mata nacional.

Questionado sobre a possível saída de Willian, Vítor Pereira preferiu não abordar o assunto na entrevista. "Esta questão é para a diretoria. Ela é que tem de responder essa questão. Não cabe a mim", respondeu.

Pouco depois, na zona mista do Maracanã, o presidente Duílio Monteiro Alves de fato falou sobre o camisa 10.

"Não quero falar desse assunto para não omitir nada. A gente programou uma conversa após o jogo de hoje. Com a eliminação, amanhã (10) de manhã a gente conversa e se realmente alguma coisa mudar... Ele tem contrato até o fim do ano que vem, mas vamos deixar isso pra resolver amanhã. Acabamos de sair de uma eliminação e não quero omitir nada", admitiu o presidente alvinegro.