Vítor Pereira revela conversas com Róger Guedes e diz que o atacante do Corinthians 'já está diferente'

Róger Guedes e Vítor Pereira viveram dias de relação conturbada no Timão (Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians)


Em coletiva concedida no CT Joaquim Grava, Vítor Pereira, técnico do Corinthians, tratou pela última vez a questão envolvendo o uso de Róger Guedes na equipe.

> GALERIA - Os jogos do Corinthians na Arena com a volta do público

Após o empate por 1 a 1 contra o São Paulo, na sétima rodada do Brasileirão, Vítor disse que não estava sentindo confiança no camisa 9, e cobrou maior entrega do atacante em treinos e jogos.

O técnico lusitano explicou que quando foi contratado, o presidente do Timão, Duílio Monteiro Alves, pediu para ele manter a sua essência, sendo forte nas cobranças aos jogadores. O português disse que após uma série de conversas com o camisa 9, só acreditará no atleta se ele mostrar uma melhor postura durantes os treinos e jogos.

- Vou tentar encerrar esse assunto, porque não sou de novela. Ninguém quer saber de verdade, todo mundo quer polêmica. O que quero dizer é: para o Róger Guedes ou qualquer um, o que Duílio me pediu é para manter a essência: ser exigente. Isso não é negociável. Não é negociável ir para um treino e não se entregar de corpo e alma. Para o Róger e qualquer um deles ter a oportunidade de expressar a sua qualidade, e a qualidade do Róger não está em pauta, mas entrega, compromisso, lutar para ser melhor, mostrar pra mim que quer jogar. Já tive uma, duas, três conversas, ele para mim é como filho, mas tendo até três conversas e não ver mudanças, tem que mostrar com ações - iniciou o técnico.

O treinador sentiu a necessidade de expor publicamente a situação envolvendo Róger Guedes pelas cobranças que recebe, principalmente quando os resultados não são positivos.

- Às vezes fico com a sensação, pelos comentários, que eu é que estou mal. "Não tinha necessidade de expor". Chega uma hora, tem de expor, porque eu que sou cobrado. Se lutar, entregar, jogar onde for, esses vão ter sempre oportunidades. Se não der o máximo, porque está contrariado... O Róger vai ter meu apoio sempre, não ponho ninguém de lado, mas já conversei outras vezes e o resultado era o mesmo.

Hoje, Vítor Pereira enxerga que o camisa 9 entendeu o recado e já vem demonstrando uma nova postura.

- Nós últimos dias, vejo o Róger diferente. Espero que se entregue a causa, tenha compromisso, esteja no seu melhor nível. Temos que respeitar nós próprios e estar no melhor nível - concluiu Vítor Pereira sobre o tema.

> TABELA - Confira e simule os jogos do Timão no Brasileirão

VEJA OUTRAS RESPOSTAS DE VÍTOR PEREIRA NA COLETIVA
VARIAÇÕES TÁTICAS

- Eu admito que começamos a trabalhar em 4-3-3. No pouco tempo que tínhamos, começamos a dinamizar o sistema para os comportamentos que pretendíamos, mas estávamos com problemas defensivos, porque a pressão de saída de bola estava sendo ultrapassada, a forma que pressionamos não estava sendo efetiva, e fomos atrás de um sistema alternativo para ser competitivo. Hoje chego a conclusão que essa alternância de sistema nos fez cair em qualidade de jogo, mas isso eu só saberia se testado. Em determinados jogos não temos jogado ao nível que eu gostaria, os resultados às vezes são melhores que as exibições.

PROBLEMAS E SOLUÇÕES AOS SISTEMAS TÁTICOS
Mas no sentido de dar resposta é esse problema que sentimos. Para chegar a essa conclusão, o Renato jogava do lado esquerdo, com uma dinâmica com o lateral e o ponta esquerdo, e essa ligação entre eles tornava o Renato mais influente da esquerda para dentro, como queríamos dar respostas defensivas deslocamos o Renato para direita para quando defendemos ele não fosse o jogador que ficasse ao lado do volante e ficasse mais alto para não defender atrás, mas essa alteração de função prejudicou, tirou confiança. Em busca de soluções encontramos um problema novo. E é treino, vamos buscar soluções. Willian naturalmente começa a perceber que tem uma marcação mais agressiva, teve que se reinventar e está em uma fase para ter explosão em um contra um não pode ser só para dentro, mas para fora. Não sempre aberto, mas ir para o dentro também. Isso tudo tem a ver com as dificuldades que estão encontrando, mas vamos encontrar meios para trazer a qualidade individual em sentidos coletivos. Não só eles, mas alguns mais novos também têm dificuldades. Às vezes se há dificuldade de entender a formação, mas porque não tem informação completa.

WILLIAN
Pra jogar Willian na direita, e Roger na esquerda? Willian é mais forte na esquerda do que na direita, porque corta para dentro, para o pé direito, onde está mais habituado. Mas não que dizer que não posso experimentar o Willian pela direita. E melhorar o nível dele. Estar com condições físicas para dar resposta de jogo. Os adversários batem nele, e ele não rende. Futebol brasileiro é físico, duelos de marcações individuais, e um jogador da qualidade que ele tem, nível superior, vai encontrar soluções para isso, mas o coletivo também precisa melhorar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos