Vítor Pereira explica porque deixou jogadores mais técnicos do Corinthians para o segundo tempo

Vítor à beira do gramado da Arena Pantanal (Foto: Rodrigo Coca/Ag.Corinthians)


Na derrota do Corinthians por 1 a 0 para o Cuiabá, pela décima rodada do Brasileirão, Vítor Pereira surpreendeu mais uma vez na escalação inicial, optando por um sistema com três zagueiros e deixando jogadores mais técnicos como Piton, Giuliano e Renato Augusto no banco de reservas.

+ GALERIA - Cássio faz 35! Confira 12 momentos marcantes do goleiro com a camisa do Corinthians

Na coletiva após a derrota na Arena Pantanal, Vítor explicou que optou por essa abordagem com o intuito de aproveitar o cansaço do Dourado no segundo tempo. O treinador assumiu que o primeiro tempo foi "dado de bandeja" ao mandante.

- Não querendo retirar essa competitividade do Cuiabá, que lutou o jogo todo, mas nos não criamos. A primeira parte foi quase dada de bandeja, não conseguimos colocar o nosso jogo. A intenção de ir com um pouco mais de segurança, repetindo alguns jogadores, mas depois injetar no segundo tempo os jogadores de mais qualidade, pensamos fazer ao contrário, para colocar os jogadores mais técnicos e criativos quando o adversário estivesse cansado. Mas na primeira parte tivemos vários momentos de insegurança, porque não estivemos no nosso melhor. Eles marcaram, e na segunda parte tentamos, mas não com a qualidade que temos, porque os jogadores que entraram jogaram há três dias e não tem capacidade de acelerar e fazer cosias rápidas - comentou VP.

O treinador voltou a relacionar a queda de desempenho do Timão com a ausência de jogadores lesionados, como Fagner, João Victor, Maycon, Willian e Jô.

- Quando temos todas as opções, não perdemos muita qualidade de um jogo para outro. Quando faltam opções, nós já estamos, agora estamos muito mais curtos. Estas variações de qualidade, e essa dificuldade em criar mais, porque temos que criar mais, tem haver com a realidade. Se jogamos com uma equipe, e voltamos a jogar com ela em três dias, com viagens, não temos hipótese nenhuma porque arrastamos. Mudando e com tanta gente de fora, há uma quebra de qualidade, portanto a queda do nosso jogo - disse.

- A realidade é que com os jogadores de fora, que tem qualidade, perdemos um pouco. Tínhamos que ter ganho o jogo, deveríamos ter jogado o primeiro tempo melhor, e no segundo tempo tentamos e não conseguimos virar. Trabalhar, recuperar e melhorar a qualidade do nosso jogo - concluiu Vítor sobre o tema.

+ TABELA - Confira e simule os jogos do Corinthians no Brasileirão

VEJA OUTROS TRECHOS DA COLETIVA DE VÍTOR PEREIRA

ESCOLHAS NA PARTIDA
- Pouca estrutura, porque o sistema requer mais um extremo, atacante por fora, para esse sistema ser ofensivo. Como optamos com o Bruno Melo pelo lado esquerdo, jogar com um lateral pelo lado direito e um esquerdo, cinco na defesa. Olho para o Mantuan ainda entrar na área no último minuto, tem uma capacidade física tremenda. Eu nem jogaria com três zagueiros, jogaria com dois zagueiros e um lateral. Tivemos dificuldade de sair com a bola.

TORCIDA E MELHORA NO SEGUNDO TEMPO
- Agradecer a torcida por todo apoio que nos deu, e no final tem razão em cobrar. Eu vi que o time, no segundo tempo, tentou dar a volta na situação, mas tinha muitos jogadores em deficit físico, com grande dificuldade de imprimir um ritmo de jogo mais forte.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos