Vítor Pereira, do Corinthians, faz reflexão sobre o futebol brasileiro: 'Nunca vi na minha vida'

Vítor Pereira durante evento em São Paulo (Foto: Fábio Lazaro / Lance!)


Além de admitir que seus treinos deixaram os jogadores do Corinthians mais desgastados para a partida contra o Internacional, Vítor Pereira falou sobre as dificuldades que vem enfrentando no futebol brasileiro.

GALERIA - Timão quer ampliar Arena: veja projetos de estádios dos clubes brasileiros

No curso "Treinadores estrangeiros no futebol do Brasil”, promovido pelo Brasil Futebol Expo 2022, o técnico português relembrou uma fala de Jorge Jesus e admitiu concordar com seu conterrâneo sobre as dificuldades do Campeonato Brasileiro.

- Quando eu vi o Jorge Jesus dizer que o Campeonato Brasileiro era o mais difícil do mundo eu não acreditava. Eu ri, achei que ele devia estar brincando. Nunca tinha visto para estudar, achava lento, mas é algo que nunca vi na minha vida. Aqui não fui nem de longe o treinador que já fui - afirmou.

Apesar da realidade diferente em comparação com Portugal, ele fez questão de exaltar a paixão dos torcedores brasileiros e a atmosfera criada pelos corintianos na Neo Química Arena.

- O que eu mais gosto do Brasil é o entusiasmo e paixão ao futebol, que é coisa que nunca vi na minha vida. Jogar no nosso estádio é uma experiência que eu não sei se vou viver mais na minha vida - reconheceu Vítor.

Pelo extenso número de jogos em um curto espaço de tempo, e um elenco com diversos jogadores acima dos 30 anos, Vítor afirmou que o estilo de jogo praticado pelo Timão está longe do que ele deseja.

- Hoje me pareço muito mais um treinador resultadista do que aquilo que prefiro, que é o jogo bem jogado. No Brasil ainda não consegui porque tem um calendário absurdo, um elenco que não é jovem e não tem capacidade de manter jogos de três em três dias, viagens atrás de viagens que nos obriga a não ter quase oportunidade de treinar. E gosto muito de treinar, adoro treino, só consigo mudar comportamentos, aplicar o jogo que gosto, que aprecio, de pressão, mas só consigo fazer isso se a minha equipe estiver recuperada - disse Vítor.

TABELA - Timão briga pelo título brasileiro? Simule os jogos do Brasileirão

ESTUDOS E ORIGEM HUMILDE

Outro tópico abordado por Vítor Pereira durante sua palestra na Brasil Futebol Expo 2022 foi sobre a forma como trabalha e expõe suas ideias. Ele não se mostrou incomodado com os rótulos atribuídos pela imprensa e admitiu que não acompanhava tanto o futebol brasileiro até aceitar o cargo de treinador do Timão.

- Eu não estava preparado para o futebol brasileiro. Já me chamaram de pardal, o sincerão. Então vou continuar sendo sincero, porque eu gosto de trabalhar, pois a minha vida foi construída no trabalho. Eu via muito pouco futebol brasileiro, via mais a sentido de descobrir jogadores - afirmou.

Vítor também falou sobre sua dedicação aos estudos, e como isso pode ser o diferencial para se tornar um bom profissional no futebol.

- Como eu fui sempre um treinador que teve foco no tático e estratégico, olhei muito para os grandes campeonatos europeus. Eu estudo muito. Quando geralmente me liga e me pergunta o que eu estou fazendo, eu digo que estou estudando. É o único modo de estar um passo à frente - comentou.

De origem humilde, Vítor Pereira enxergou no futebol a possibilidade de fornecer uma boa vida aos seus filhos e trabalhar mais seu lado criativo.

- Há dois aspectos que me motivam no futebol. No início, quando eu comecei a minha carreira, e como vim de família humilde, dificuldades financeiras. Por missão de vida eu tinha que fazer a vida dos meus filhos, o meu conceito de família é poder dar aos meus filhos aquilo que não tive. E o lado criativo, o futebol dá oportunidade de criar todos os dias - concluiu Vítor Pereira.