Uefa intensifica combate contra ataques racistas a jogadores nas redes sociais

(Reuters) - A Uefa vai lançar um programa para combater ataques racistas na internet contra jogadores de futebol, trabalhando com empresas de mídia social para remover conteúdo nocivo de plataformas e aumentar a conscientização, informou a entidade neste domingo.

O órgão que rege o futebol europeu acrescentou que o programa, que começará a partir do Campeonato Europeu Feminino, entre os dias 6 e 31 de julho, trabalhará para "monitorar ativamente, denunciar e remediar" casos de racismo online.

Os ingleses Marcus Rashford, Jadon Sancho e Bukayo Saka foram alvos de ofensas racistas nas redes sociais depois de perderem pênaltis na derrota por 3 a 2 para a Itália na final da Euro no ano passado.

Um relatório publicado pela Fifa no mês passado revelou que mais da metade dos jogadores da Euro e da Copa das Nações Africanas (Afcon) do ano passado foram alvos de ataques discriminatórios.

"O programa de respeito visa ações concretas para prevenir comportamentos abusivos online e discriminação durante todas as suas competições, incluindo as finais das competições juvenis, femininas e masculinas pelos próximos três anos", disse a Uefa em comunicado.

"Para garantir que o conteúdo nocivo seja removido, a Uefa está trabalhando diretamente com as principais plataformas de mídia social, como Twitter, Meta (Instagram e Facebook) e TikTok".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos