Turco Mohamed fala sobre o Atlético-MG e diz que 'desejo por Cuca' motivou sua demissão

Treinador foi demitido pelo Atlético-MG em julho deste ano - Foto: Pedro Souza / Atlético


O técnico Turco Mohamed falou abertamente sobre sua passagem pelo Atlético-MG pela primeira vez desde sua demissão. Em entrevista à ESPN argentina, o treinador falou sobre a "sombra de Cuca" influenciar na decisão de sua saída, comentou sobre enfraquecimento do elenco do Galo e listou jogos importantes para a sua demissão.

+ Mercado fechou! Veja as principais contratações dos clubes brasileiros

Antonio Mohamed foi demitido do Atlético-MG no dia 22 de julho. O treinador disse que as redes sociais influenciaram sua demissão, especialmente pelo movimento para a "volta de Cuca".

- É um clube de primeiro nível. Respeito a decisão, mas vejo que tudo foi muito gerado pelas redes sociais, porque queriam outro técnico, queriam a volta do Cuca. Sempre que tínhamos um mau resultado, a culpa era da comissão técnica, e nunca se analisa o rendimento dos jogadores - expressou Turco.

Na entrevista, o técnico argentino também falou sobre o enfraquecimento do elenco, especialmente em relação aos jogadores reservas. O treinador citou as saídas de Diego Costa, Dylan Borrero, Tchê Tchê e Alan Franco, e disse que as opções de substitutos estavam escassas em determinado momento da temporada.

- Venderam muitos jogadores. As opções de reserva foram reduzidas. Além disso, Vargas, Zaracho e Keno ficaram um bom tempo fora por lesão. Contra o Emelec, precisamos usar garotos. Agora, o clube se reforçou e teve a volta de jogadores. Sem dúvidas, vai começar a andar - disse o argentino.

Turco Mohamed também comentou sobre os jogos mais importantes que culminaram em sua demissão. O treinador expressou que o clima começou a ficar "hostil" após a eliminação para o Flamengo na Copa do Brasil.

- Depois de perder no Maracanã, começou um clima hostil contra o corpo técnico. Jogamos contra o Botafogo, vencemos, mas jogamos muito mal. Depois empatamos com o Coritiba (Cuiabá, o técnico se confundiu). Chegamos na concentração na madrugada. Me levantei na manhã, estava o presidente com o diretor de futebol. E a decisão estava tomada - contou Antonio Mohamed.