Três jogadores do Botafogo-SP são acusados de estuprar mulher no Rio de Janeiro

SÃO PAULO, SP, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Três jogadores do Botafogo, João Diogo, 23; Dudu, 19, e o argentino Lucas Delgado, 27, são acusados por uma mulher de tê-la estuprado no Rio de Janeiro. Segundo ela, o crime teria ocorrido logo após a partida em que a equipe conquistou o acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro.

A vítima de 27 anos registrou Boletim de Ocorrência, ao qual a reportagem teve acesso, na madrugada desta segunda-feira (26), no 4º DP no Rio de Janeiro. Ela passou por exame de corpo de delito no IML (Instituto Médico Legal).

Procurados, os três jogadores não foram encontrados até o momento. A reportagem tentou entrar em contato com eles por meio de mensagens de WhatsApp e ligações telefônicas.

A reportagem apurou que, após a vitória sobre o Volta Redonda, no último domingo (25), o elenco da equipe paulista voltou para o Hotel Intercity Porto Maravilha em que estava hospedado, a seis quilômetros do aeroporto Santos Dumont.

Por volta da 0h30 de segunda, os três atletas saíram do local sem conhecimento do clube e foram à Vitrinni Lounge Beer, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

A vítima relatou no boletim de ocorrência ter "trocado beijos" com Delgado. Disse ainda que, depois, foi ao hotel da delegação e manteve relação sexuais com o argentino, mas que ele não usou preservativo, contrariando a vontade da denunciante.

Ela afirma no BO que, "em certo momento", houve batidas na porta do quarto do hotel. João Diogo e Dudu teriam entrado com a intenção de também fazer sexo com a vítima, o que ela não consentiu.

Ela alega ter sido xingada por João Diogo e mordida no seio direito por Dudu e foi para a recepção aos prantos, quando teria sido informada da identidade de Lucas Delgado.

Lucas Delgado pertence ao Club Atlético Fénix, estava emprestado à agremiação de Ribeirão Preto e teve o contrato rescindido. Ele é sobrinho de Marcelo Delgado, ex-atacante histórico do Boca Juniors, campeão da Libertadores em 2000, 2001 e 2003.

Dudu e João Diogo sofreram punições disciplinares, mas o Botafogo não divulgou detalhes.

Os três serão ouvidos na investigação por meio de carta precatória.

Funcionários do hotel já foram ouvidos pela Polícia Civil, que requisitou imagens do circuito interno do local e da boate.

O caso corre em segredo por se tratar de acusação de estupro.

Em nota, o clube afirma ter tomado ciência da denúncia e que repudia "toda e qualquer forma de violência e de assédio, especialmente contra as mulheres, e contribuirá na apuração dos fatos e responsabilidades."