Tite cita característica 'impressionante' da Seleção e avalia queda no segundo tempo

Tite ficou impressionado com virtude da Seleção Brasileira no primeiro tempo (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)


A Seleção Brasileira teve uma vitória contundente diante de Gana, ao bater os africanos por 3 a 0, nesta sexta-feira, em Le Havre, na França. A atuação do primeiro tempo foi a que mais chamou a atenção, não apenas do torcedor, mas também do técnico Tite, que também explicou a queda de produção do time após o intervalo.

GALERIA
> Veja o calendário da Seleção Brasileira até o final da Copa

TABELA
> Veja tabela e simulador do Copa do Mundo-2022 clicando aqui

Em entrevista coletiva após jogo, o treinador do Brasil falou dos fatores que levaram a equipe a ter uma performance tão avassaladora na primeira etapa, principalmente na questão da recuperação de bola. Outro detalhe que ele leva como trunfo é o fuso horário, que acabou não sendo um obstáculo por estar na Europa.

- Gana tem uma equipe com grande qualidade técnica individual e lances individuais dos atletas. O André Ayew, por exemplo, joga muito. Mas, no primeiro tempo, a equipe se mobilizou para, na perda da posse de bola, fazer a retomada imediata da bola. Tem vários jeitos de chamar isso: perde-e-pressiona, cinco segundos de loucura, cada um usa um termo. Mas a rapidez na nossa retomada de bola foi impressionante - declarou o comandante antes de completar:

- Nas bolas paradas, a equipe também foi bem, estava limpa. A vinda para cá (na França), sem os atletas terem que fazer fuso horário, deu essa condição.

No entanto, apesar desse primeiro tempo que empolgou a todos utilizando um quinteto ofensivo (Richarlison, Neymar, Raphinha, Vini Jr. e Paquetá), a volta do intervalo não foi das melhores e o que parecia que se tornaria uma goleada, acabou ficando "apenas" no 3 a 0. Para Tite, porém, isso foi resultado da melhora de Gana em campo.

- A equipe teve, sim, atuação e ritmo no primeiro tempo, dominou e controlou. No segundo tempo, Gana conseguiu durante uns 15 minutos nos controlar, não conseguimos finalizar, pois eles colocaram linha de cinco. Ao mesmo tempo, fomos sólidos. Se não criamos, não deixamos o adversário criar também. Com a entrada de jogadores mais frescos, retomamos o domínio - explicou Tite.

O treinador brasileiro ainda citou uma oportunidade que Matheus Cunha teve para ampliar no fim da partida, mas destacou que igualar uma performance do mesmo nível da primeira etapa seria difícil.

- Aí tivemos chances claras de ampliar. Tivemos dois lances com o (Matheus) Cunha, chances claras. Teve um lance do Neymar na batida que o goleiro pegou. Houve lances com Rodygo, com Paquetá. Então, a equipe conseguiu fazer bem nessas diferentes etapas. Mas fazer um primeiro tempo igual ao que fizemos nem sempre dá - concluiu.

A Seleção Brasileira agora terá mais um amistoso, diante da Tunísia, na próxima terça-feira, às 15h30 (de Brasília), em Paris, na França. Será o último jogo antes da convocação de Tite para a Copa do Mundo, que será divulgada no dia 7 de novembro com 26 nomes.