Segurança no meio, mas falta de poder ofensivo: veja como o Operário chega para duelo com o Vasco


Com a Série B na reta final, cada jogo é uma decisão para os dois extremos da tabela. Nesta terça, Operário-PR e Vasco medem forças, às 19h, no Germano Krüger, pela 33ª rodada da competição. O Cruz-Maltino segue na luta para voltar à elite do futebol nacional e se distanciar dos adversários. O Fantasma, por sua vez, tenta deixar o Z4 e permanecer na segundona.

+ Do céu ao inferno: Vasco reencontra o Operário em fase distinta na Série B

Com isso, o Lance! conversou com três jornalistas que fazem a cobertura diária da equipe paranaense, que não vence há quatro jogos. O intuito é compreender de que maneira o alvinegro chega para o duelo desta terça. Cândido Neto e Leandro Andrade, ambos da Rádio Clube, de Ponta Grossa, e Paulo Ribeiro, da Rádio Lagoa Dourada, falaram sobre o Fantasma.

+ Confira e simule a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

De acordo com a visão dos jornalistas, o setor mais forte da equipe comandada por Matheus Costa é o meio de campo. Desse modo, os destaques são Ricardinho e Fernando Neto, que dão mais segurança e consistência à marcação. Outro nome de destaque é o goleiro Vanderlei, que não estará em campo por questões contratuais.

- Digamos que o setor mais forte do Operário seja o meio campo. Não é um time ruim tecnicamente, mas tem sido castigado direto pela questão da falta de intensidade; Porém, o meio é um bom setor, contando principalmente com Ricardinho e Fernando Neto - disse Leandro Andrade, setorista do clube paranaense.

Por outro lado, o setor ofensivo tem deixado a desejar, sobretudo nas finalizações. O time tem até criado com mais frequência, mas falta um centroavante nato para colocar a bola nas redes. Ao serem questionados sobre o trabalho de Matheus Costa, ambos ressaltaram que o comandante ainda está devendo, apesar do empenho.

+ Jorginho quer Vasco tranquilo contra o Operário e reitera confiança no acesso: 'Vamos conseguir o objetivo'

- O setor mais vulnerável é o ataque, que faz poucos gols. Nossos homens de área não têm amizade com as redes. Apesar da defesa ter melhorado com a chegada de Dirceu, ainda precisa de alguns ajustes. Mas, principalmente, o nosso ataque, que é falho. O que tem que melhorar, e muita, são os homens de frente. É fazer gol, finalizar. O Operário chuta pouco a gol - explicou Cândido Neto.

Operário-PR
Operário-PR

Operário aposta nos jogos em casa para ficar na segundona (André Jonsson/OFEC)

- Mais do mesmo, diria. O Matheus foi contratado e para todos foi uma surpresa seu retorno (já que comandou o time ano passado e não entregou o que esperávamos), desde que chegou ele ainda não emplacou, ele é um técnico comum e o Operário precisava de alguém fera para salvar a equipe. O time com ele até melhorou mas ainda é muito pouco pra se salvar, o Matheus tem um trabalho mediano pra ruim até aqui - completou Leandro Andrade.

+ Torcida do Vasco esgota ingressos para duelo contra o Novorizontino pela 34ª rodada da Série B

Por fim, a tendência é que a equipe paranaense observe primeiro o comportamento do Vasco para entender a maneira de agir. Com quatro pontos para o primeiro fora do Z4 (Novorizontino), o time precisa se arriscar e fazer valer o "fator casa". Contudo, o Fantasma tem mais facilidade quando aposta nos contra-ataques e explora os espaços em transição rápida.

- Por incrível que pareça, o Operário joga mais para a frente fora de casa. A defesa é lenta em casa, e sobre os alas, somente o Arnaldo pela direita apoia com frequência - analisou Paulo Ribeiro:

+ Confira as chances de acesso do Vasco no momento

- Pelo tamanho e peso e pelo que o Vasco almeja na competição, acho que o Operário deve esperar o jogo. Esperar uma bola, o momento oportuno para sentir o que o adversário quer. Estudar melhor a proposta de jogo dos cariocas e depois tentar propor o jogo. Hoje terá casa cheia, o torcedor vai marcar presença. E acho também que o Operário sabe sair nos contra-ataques, apesar de finalizar pouco - finalizou Cândido Neto.