Ruud: 'Não sou o Nº 1, mas sou o 2º e isso não é ruim. Vou trabalhar por mais'

USTA


O norueguês Casper Ruud será nesta segunda-feira o novo número 2 do mundo após ser derrotado pelo espanhol Carlos Alcaraz na grande final do US Open. Apesar da derrota, Ruud mostrou-se feliz com a performance no torneio e motivado por mais.

“Antes de falar de tênis. Eu sei que hoje é um dia sensível para os Estados Unidos (11 de setembro), envio sempre minhas orações para as pessoas que perderam a vida e todas as pessoas que perderam alguém. Isso é algo que nunca esqueceremos”, iniciou ele duas declarações em quadra durante a premiação.

Perguntado sobre sua nova posição no ranking mundial e o fato de ter alcançado duas finais de Grand Slam no ano - também foi vice em Roland Garros - , Ruud pontuou: “As coisas têm ido nem, estou. Hoje foi um dia especial pra nós dois e é muito especial que estivéssemos lutando também pelos postos de liderança. Não sou o número 1, mas ser o número 2 não algo tão ruim, estou feliz por isso e claro vou seguir trabalhando para poder alcançar mais e vencer meu primeiro Grand Slam”.

O jovem de 23 anos é o maior tenista da história da Noruega e fez questão de agradecer o apoio da torcida e de sua família, que esteve em peso no torneio para apoiá-lo: "Sim, inclusive minha avó está ali. Eles, minha família e equipe, fizeram muitos sacrifícios para que meu sonho pudesse ser realidade e que eu pudesse estar aqui hoje. É muito bom tê-los como forte apoio nisso e espero que possamos nos manter unidos e fortes".