Rogério Ceni abandona camisa comemorativa de 1992 em vitória do São Paulo: 'Estava dando azar'


A classificação do São Paulo para a final da Copa Sul-Americana após eliminar o Atlético-GO nos pênaltis foi marcada pela presença do técnico Rogério Ceni vestindo uma roupa mais social - e não mais a camisa comemorativa de 1992 que acompanhou o técnico nos últimos confrontos.

Galeria
> ATUAÇÕES: Patrick comanda vitória do São Paulo, e Galoppo decreta vaga na final

Tabela
> Veja tabela da Copa Sul-Americana e simule os próximos jogos

Mas a curiosidade mora aí. Desde o anúncio da terceira camisa, lançada em homenagem ao agasalho que Telê Santana usava nas conquistas de 1992, o Tricolor paulista enfrentou um jejum de seis jogos sem vencer.

Como o LANCE! já havia explicado, o debate ganhou forma nas redes sociais quando os torcedores notaram que o treinador começou a carregar esta 'maré de azar' desde quando passou a utilizar o uniforme no banco de reservas dos jogos da equipe. Porém, nesta quinta-feira (8), o 'look' foi diferente. E desta vez, a vitória veio junto.

Durante a coletiva de imprensa pós-jogo, Rogério Ceni foi questionado sobre a mudança de estilo. O técnico aproveitou a oportunidade e brincou dizendo que a camisa que estava utilizando 'deu azar'.

- Estava dando azar a (terceira) camisa, a gente não estava ganhando e alguma coisa a gente tinha que fazer. Hoje resolvi mudar. A camisa não estava dando muita sorte. Vim assim porque era um dia especial - disse.

Agora, o desafio é contra o Independiente Del Valle. A final está prevista para o dia primeiro de outubro, na cidade de Córdoba, na Argentina. Cabe saber se Rogério Ceni optará novamente pelo blazer e roupa social ou pelo terceiro uniforme.