Roberto Carmona, ícone do jornalismo esportivo, morre aos 86 anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Roberto Carmona, um dos mais importantes nomes do jornalismo esportivo brasileiro, morreu neste domingo (4) aos 86 anos.

De acordo com informações de familiares dele, Carmona havia sido internado para realizar uma cirurgia na coluna e não resistiu a complicações. O jornalista deixa quatro filhos e oito netos.

Nascido em Presidente Bernardes, no interior de São Paulo, Carmona se mudou para o Paraná na infância e chegou a São Paulo no início dos anos 1960, quando começou a trabalhar na Rádio Record.

O jornalista, com mais de seis décadas de carreira, passou por veículos como Globo, Jovem Pan, Gazeta e Bandeirantes. Nos últimos anos, trabalhava na Transamérica FM.

Em nota, a rádio paulista destacou a voz e o legado dele. "Morre a voz marcante da Transamérica, Roberto Carmona, uma lenda do jornalismo esportivo e da história do rádio".

A morte do jornalista também foi lamentada por colegas de profissão. O narrador Silvio Luiz escreveu que "o domingo acabou com a morte do colega Roberto Carmona".

Em nota, o Corinthians destacou a longa trajetória do jornalista. "Ao longo de mais de 50 anos de carreira, contou com brilhantismo muitos momentos de nossa história. Aos parentes, ouvintes e colegas, em especial da Transamérica, nossos sentimentos", diz nota do clube.