Diretor do Atlético-MG fala sobre possibilidade das chegadas de Rafinha e Paulinho

Rafinha Alcântara está na mira do Trabzonspor (Foto: FRANCK FIFE / AFP)


Nomes tidos como possíveis reforços do Atlético-MG nesta janela de transferências, o meio-campo Rafinha, do PSG, e o atacante Paulinho, do Bayer Leverkusen, dificilmente vão defender o Galo nesta temporada. Quem esclareceu as situações foi Rodrigo Caetano, diretor de futebol do clube.

O dirigente comentou que a questão financeira é um impeditivo para concretizar a vinda dos jogadores neste momento, apesar da necessidade de melhoria e reformulação do elenco após as eliminações na Copa do Brasil e na Libertadores. Além disso, o Atlético-MG vive um momento de baixa no Brasileirão, precisando se recuperar na classificação.

Apesar dos elogios para a dupla, Rodrigo Caetano adotou um tom realista sobre o momento financeiro do Atlético-MG.

- Todo grande jogador é sempre bem avaliado. O Galo não tem condição de investir. Todos sabem da dificuldade financeira que nós vivemos. Muitas vezes eu vou falar o que o torcedor não gosta de ouvir. Nossa situação financeira é delicadíssima. O que conseguimos competir com os demais clubes é na remuneração. São dois grandes nomes. Ambos têm vínculos com seus clubes. E para ter alguma chance é estar livre ou em término de contrato, e ter um acordo com os clubes. E isso não aconteceu. Não posso negar que existiu consulta. É muito pouco provável que isso ocorra nessa janela - disse o dirigente alvinegro.

Se houver uma mudança de rumos nas negociações, o Galo terá até o dia 15 de agosto para bater o martelo, pois a janela de transferência para o Brasil se encerra nesta data. O Atlético trouxe Pedrinho, Pavón, Jemerson e Alan Kardec como reforços, mas todos eles sem fazer investimento e pagando apenas o salário.