Presidente do PSG é acusado por sequestro e extorsão

Nasser Al-Khelaifi assumiu o comando do PSG em 2011 e quer levar clube ao título da Liga dos Campeões. Foto: Bertrand Guay/AFP via Getty Images
Nasser Al-Khelaifi assumiu o comando do PSG em 2011 e quer levar clube ao título da Liga dos Campeões. Foto: Bertrand Guay/AFP via Getty Images

O jornal francês 'Libération' publicou nesta quinta-feira (29) um trabalho de investigação sobre Nasser Al-Khelaifi. Aparentemente, o presidente do Paris Saint-Germain estaria imerso em uma trama de chantagem, abuso e extorsão de um empresário franco-argelino que supostamente tinha informações comprometedoras sobre o próprio Al-Khelaïfi.

Tayeb B., que é o nome do empresário em questão, foi preso à força em 13 de janeiro de 2020 no Catar e ficou mantido em cárcere privado até 1º de novembro do mesmo ano. O empresário teria material sensível em que constaria o nome do dirigente do PSG como um dos envolvidos na eleição irregular do Catar como sede desta Copa do Mundo.

Leia também:

O homem, sob intensa pressão psicológica, só foi liberado após entregar os documentos aos advogados de Al-Khelaïfi por meio de um acordo confidencial.

De acordo com o depoimento à mídia francesa, o sequestro teria sido motivado, único e exclusivamente, por "ordem do emir do Catar".

A vítima deste acontecimento é um empresário franco-argelino de 41 anos que vivia no Catar com a mulher e os filhos.

Al-Khelaifi é um dos homens mais influentes do Catar. Primeiro ele tornou-se político e depois empresário. Assumiu o comando do PSG em 2011 e desde então se transformou em um dos grandes investidores no futebol.

Não está claro se essa suposta documentação em posse do acusador é legítima. Tayeb B é acusado de ir a vários indivíduos de alto perfil e empresas pedindo dinheiro em troca da entrega ou destruição de documentação sendo algumas reais, outras supostamente obtidas ilegalmente ou fabricadas.