Polícia prende filha suspeita de roubar R$ 720 milhões em obras de arte da mãe

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma mulher foi presa no Rio de Janeiro por suspeita de roubar da própria mãe mais de R$ 720 milhões em obras de arte, como quadros de Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti, além de joias. A idosa tinha 82 anos e foi mantida em cárcere privado por cerca de um ano.

Agentes do DEAPTI (Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade) cumprem seis mandados de prisão, realizam busca, apreensão e bloqueio de bens dos suspeitos.

Ao todo, foram roubadas e revendidas 16 obras de arte. Os quadros foram vendidos para galerias de arte. Uma das galerias, em São Paulo, comprou três obras com valor estimado em R$ 300 milhões. Pelo menos duas dessas obras foram revendidas para o Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires.

O dono da galeria de arte de São Paulo disse não ter desconfiado de que as obras haviam sido roubadas da idosa por conhecer a família e por ter recebido os quadros da própria filha da proprietária dos quadros.

A idosa foi casada com um colecionador e negociador de arte. Após a morte do esposo, ela herdou os quadros. De acordo com a Polícia Civil do Rio de Janeiro, ela foi abordada por uma mulher que se passou por vidente e disse que a filha estava espiritualmente doente.

"Por ter um lado místico e uma filha que enfrenta problemas psicológicos desde a adolescência, a idosa foi convencida, inclusive pela filha, a realizar os pagamentos solicitados para o tratamento espiritual proposto", diz a polícia.

Entre janeiro e fevereiro de 2020, foram realizadas pelo menos oito transferências no valor de R$ 5 milhões.