Pela 1ª vez, Wimbledon não terá presenças dos Nºs 1 e 2 do mundo

Redes sociais


Pela primeira vez desde o início da Era Aberta do tênis, a profissionalização em 1993, o torneio de Wimbledon não terá a presença dos números 1 e 2 em sua disputa. Esta é a 2ª vez na em quase 40 anos, os para Grand Slams.

Em razão da decisão de Wimbledon em banir os tenistas da Rússia e Bielorrússia para a edição 2022, o mais tradicional torneio de tênis do mundo não terá a presença do vigente número 1 do mundo, o russo Daniil Medvedev, que reassumirá o posto na próxima segunda-feira, 13 de junho.

O número 2 do mundo no período até Wimbledon será o alemão Alexander Zverev, que se lesionou durante a disputa de semifinal de Roland Garros e ontem, 7 de junho, foi submetido a uma cirurgia no pé.

Historicamente, esta será a primeira vez que o Nºs 1 e 2 perderam Wimbledon, mas já estiveram ausentes de 3 edições de Roland Garros (1974, 1975, 1977) e outras seis do Australian Open, entre 1976 e 1982.

A última vez que isso tinha acontecido foi no Australian Open de 1999, em que o americano Pete Sampras, então Nº1, e o chileno Marcelo Ríos, Nº 2, não disputaram o torneio em razão de lesões. Ríos defenderia o vice-campeonato do torneio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos