OPINIÃO: Não existe despedida para quem é eterno. Obrigado por tudo, Fred!


Começo esse texto parafraseando Abel Braga, um dos maiores treinadores da história do Fluminense: 'Foi lindo'. Não somente pela catarse do gol 199 contra o Corinthians ou pela tarde/noite de homenagens na vitória contra o Ceará.

Desde que Fred jogou seu coração pela primeira vez, naquela tarde de 15 de março de 2009 contra o Macaé, passando pelos títulos brasileiros de 2010 e 2012 e encerrando com o título carioca de 2022. Foi lindo. Foi lindo porque a relação entre Fred e Fluminense é recíproca, e diria até que foi um caso de amor à primeira vista. E neste caso eu falo por mim.

+ Explosão, emoção e lágrimas: Fred se despede do Fluminense e do futebol no lugar que mais amou

Eu era um adolescente quando Fred chegou ao Fluminense em 2009. Fui conquistado logo nos dois primeiros gols dos 199. Cresci vendo Fred vestir o verde, branco e grená. Não foi difícil criar identificação e idolatria. Para mim, Fred sempre foi sinônimo de Fluminense, principalmente em uma época onde o clube precisava ter um jogador para ter essa identificação com os torcedores.

Fred - Fluminense 2 x 1 Ceará
Fred - Fluminense 2 x 1 Ceará

Você é eterno, capitão! (Foto: Armando Paiva / Lancepress!)

Foi lindo viver o sentimento de ter um jogador dentro de campo que representava a torcida. Perdi a conta de quantas vezes fui ao Maracanã ou ao Nilton Santos para ver o Fluminense e que saí realizado por ter gritado o nome de um ídolo. Cantar "O Fred vai te pegar" virou um mantra.

+ Com show de luzes, torcida do Fluminense faz mosaico gigante na despedida de Fred

Particularmente, o grande momento de Fred pelo Fluminense no meu coração é o gol marcado contra o Palmeiras, no jogo de volta da semifinal da Copa do Brasil de 2015. Um jogo onde Fred não tinha condições de ficar de pé, muito menos de jogar. E ele foi lá e marcou um dos gols que mais comemorei na vida. Na minha opinião, seu gol mais marcante, até mais que o gol contra o próprio Palmeiras em 2012. Foi naquele momento em que eu chorei. Chorei de alegria. Chorei de emoção. Chorei por ver Fred chorar em campo.

Em seu retorno ao Fluminense, Fred me fez chorar novamente. Durante o período de jogos sem torcida, a cada gol marcado eu me emocionava. Sabia que faltava pouco para o fim. E quando finalmente voltei ao Maracanã no fim de 2021, me emocionei com os gols marcados contra América-MG e Internacional. Chorei no gol da virada contra o Vila Nova na Copa do Brasil em abril, seu penúltimo gol pelo clube e por ironia do destino, não estive presente no último.

Mas mesmo assim, foi lindo comparecer ao Maracanã neste 9 de julho. Foi lindo ver o meu maior ídolo entrar em campo e ver seus últimos minutos. Foi lindo viver um momento especial. Foi lindo cantar "O Fred vai te pegar" pela última vez. Me recuso a dizer que me despedi de um ídolo. Não existe despedida para quem é eterno. Fred agora é um dos nossos. Fred é Fluminense. Fluminense é Fred.

Pouco mais de 13 anos depois, posso dizer que Fred superou todas as expectativas que criei quando era um adolescente. Eu nunca pensei que veria a história acontecer diante dos meus olhos. Nunca imaginei que seria testemunha presente do maior ídolo da era moderna do clube do meu coração.

Foi lindo, Fred. Obrigado por tudo, capitão. Você é eterno.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos