Zagueiro Maicon cutuca Kazim e comete gafe ao reclamar do árbitro

Maicon se tornou um dos grandes personagens do Majestoso desse domingo no estádio do Morumbi, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista. Após ficar de fora dos últimos seis jogos da equipe (se lesionou dia 1º de março), o capitão voltou a ser titular, marcou um gol, comemorou de forma polêmica e mostrou que também estava com a língua afiada após o apito final.

Primeiro o jogador trouxe os holofotes para si aos quatro minutos do segundo tempo, quando abriu o placar para o Tricolor do Morumbi, de cabeça. Em seguida, Maicon saiu comemorando imitando uma galinha, animal que é utilizado pelos rivais para simbolizar de forma pejorativa a equipe do Parque São Jorge. Depois de dizer que não havia programado a provocação, Maicon fez questão de lembrar de Kazim, que na véspera do jogo também provocou os são-paulinos.

“Uma comemoração que veio na hora. Não provoco ninguém. Não me veem falando de adversário. Não sou pessoa que fala babaquice na internet e nem jogar, joga”, disse o defensor ainda em campo, nitidamente irritado, mas principalmente pelo fato do árbitro Vinicius Furlan não ter expulsado Pablo e ter advertido Wellington Nem com um cartão vermelho no fim do clássico.

“Eu estava de longe, mas ao meu ver, o Wellington Nem não acertou o tapa na cara do jogador adversário. Pode ter usado braço, sim, mas que jogador que não usa o braço?, comentou Maicon, antes de cometer uma grave gafe ao sair em defesa de seu companheiro. “Se não for para usar o braço, que vá jogar vôlei, vá jogar outro esporte, vá jogar tênis”, esbravejou o jogador, sem perceber que nos exemplos citados por ele os atletas podem utilizar os braços para jogar.

Nem por isso Maicon titubeou ou pausou sua fúria contra a arbitragem, sempre levando em consideração os dois lances quem que Pablo e Wellington Nem foram protagonistas. Apesar de estar diante dos microfones, Maicon não poupou um vocabulário agressivo.

“Só que o árbitro não teve colhão de advertir o Pablo com o segundo amarelo ali em um carrinho em que ele parou nosso contra-ataque. O Gabriel também estava com amarelo e fez três ou quatro faltas, no Neilton entrou mais forte, e ele não teve coragem de dar o amarelo. Acabou expulsando nosso jogador. Não nos prejudicou para este jogo, mas, no próximo, nos prejudica”, opinou, sem esconder o incômodo com o placar, que não deu a classificação ao São Paulo e ainda culminou no quinto jogo seguido da equipe sem vitória.

“Empate é pior para nós. Jogamos em casa, tivemos mais oportunidades de gols, acabamos pecando na finalização. O Corinthians soube se defender. Infelizmente não vencemos hoje”, concluiu.