Zaga reserva do Fluminense falha, mas Abel demonstra apoio

Após um 2016 trágico, a defesa do Fluminense iniciou 2017 com boas atuações e sequências de jogos sem sofrer gols. Mas apesar das péssimas condições do gramado e da utilização da zaga reserva, a partida contra o Nova Iguaçu no último domingo (19) destoou completamente das demais e foi crucial para o resultado negativo.

Devido ao calendário cheio, Abel Braga mandou para campo Nogueira e Reginaldo no setor defensivo. E foram justamente os zagueiros que viveram uma tarde de tormenta na Taça Rio.

Logo no início da partida, Reginaldo tentou sair jogando e perdeu a bola. Na tentativa de recuperar, levou drible desmoralizante e viu o Nova Iguaçu abrir o placar, com Marlon. Esse foi o quarto jogo do defensor, que balançou as redes uma vez.

Reginaldo - Fluminense


Reginaldo treina no CT do Flu (Nelson Perez - Fluminense FC)

E se já não bastasse um erro chave, imagina outros dois? A diferença é que Nogueira foi o responsável pelas falhas seguintes. O jovem zagueiro do Fluminense errou ao recuar e reclamou de falta. Adriano levou a melhor e tocou na saída de Cavalieri para fazer o segundo. Para piorar, o jogador ainda marcou, contra, o terceiro do adversário.

No entanto, apesar dos erros cruciais dos jovens, Abel Braga demonstrou não dar tanta importância para o assunto.

"A diferença é que Nogueira foi o responsável pelo segundo erro. O jovem zagueiro do Fluminense errou ao recuar e reclamou de falta não sinalizada. Melhor para Adriano que tocou na saída de Cavalieri e fez o segundo. Para piorar, o jogador ainda marcou, contra, o terceiro do adversário.", disse após o duelo.

E o técnico está certo. Com o cuidado para não queimar e nem desvalorizar os seus garotos, Abel sabe trabalhar com os que acabaram de sair de Xerém, sem pular etapas ou jogar responsabilidade onde não deve. Paciência é a palavra certa - e que muitos clubes não conhecem.

Nogueira - Fluminense


Nogueira estreou contra o Internacional, em 2016 (Foto: Nelson Perez - Fluminense FC)

Revelado nas categorias de base do Fluminense, Reginaldo rodou o Brasil até terminar o último Campeonato Brasileiro da Série B como capitão e um dos destaques do Vila Nova. Quatro dias depois do fim da competição, o telefone tocou com a tão esperada notícia. Estava de volta as Laranjeiras.

Já Nogueira, um dos destaques do time nas últimas partidas de 2016 e capitão na base, possui um estilo de jogo "simples e sério", o que chamou atenção do então técnico do Tricolor, Eduardo Baptista, que o subiu para o profissional.

Abel Braga - Fluminense

O jogador de 21 anos atuou pela quinta vez na temporada como titular e teve exibição bastante aquém do que vinha mostrando. E com os pés no chão, Nogueira se mostrou consciente do seu erro.

"Como outras atuações ficaram marcadas como inesquecíveis, hoje também vai ficar marcado como um dia inesquecível para tentar melhorar nos treinamentos. Quando eu tiver outra oportunidade, vou mostrar o meu trabalho. O que complicou foram as falhas técnicas. Tive uma no primeiro tempo e infelizmente a bola bateu em mim no segundo. Mas não é motivo para baixar a cabeça, sei o meu valor e o pessoal também sabe. É trabalhar para melhorar", concluiu.

Dedicação é a palavra de ordem do técnico Abel Braga. Acostumado a trabalhar com jovens, o comandante tricolor sabe como lidar com a cabeça dos atletas após um erro grave e não deixará esse fato virar um registro.

O Fluminense segue na liderança do Grupo C e volta a campo na quinta-feira (23), quando medirá forças com o Botafogo, no Estádio Nilton Santos.