Youtube encerra canais de Allan dos Santos, blogueiro bolsonarista que é alvo do STF

·2 minuto de leitura
Foto: REUTERS/Adriano Machado
Foto: REUTERS/Adriano Machado

O Youtube encerrou dois canais de Allan dos Santos, um dos blogueiros mais próximos ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito que apura a organização e o financiamento de atos antidemocráticos.

De acordo com o "Estado de S. Paulo”, os canais foram encerrados nessa quarta-feira (03). Estão fora do ar o canal principal utilizado por Allan e uma conta reserva que o blogueiro vinha utilizando. Segundo o jornal, o youtube diz que ambos violaram os termos de serviço da plataforma.

Leia também:

O Youtube alega que os conteúdos publicados na plataforma precisam obrigatoriamente seguir as diretrizes da rede social. “Caso uma conta tenha sido restringida na plataforma ou impossibilitada de usar algum dos nosso recursos, o criador não poderá usar outro canal para contornar essas penalidades. Essa regra se aplicará a todo o período em que a restrição estiver ativa. Consideramos a violação dela um descumprimento dos nossos Termos de Serviço, o que pode levar ao encerramento da conta”, explicou a plataforma.

Em setembro de 2020, o Estadão publicou mensagens de Allan dos Santos a um tenente em que o blogueiro bolsonarista pedia uma ação das Forças Armadas “urgentemente". Posteriormente, o tenente negou apoiar a ideia de intervenção militar.

O blogueiro também já foi alvo de restrições em outras plataformas. Em julho, o Twitter bloqueou a conta de Allan dos Santos após atender um pedido do ministro Alexandre de Moraes, do STF, que ordenou a suspensão do perfil de Allan e outros investigados como o empresário Luciano Hang e a extremista Sara Giromini, todos ferrenhos apoiadores do presidente Bolsonaro.

Moraes justificou sua pedido para “interromper discursos criminosos de ódio". Ele disse ver “sérios indícios” de prática de crimes como calúnia, difamação e associação criminosa.

“Essas tratativas ocorreriam em grupos fechados no aplicativo de mensagens Whatsapp, permitido somente a seus integrantes. O acesso a essas informações é de vital importância para as investigações, notadamente para identificar, de maneira precisa, qual o alcance da atuação desses empresários nessa intrincada estrutura de disseminação de notícias fraudulentas”, apontou o ministro.

Depois de ser alvo de buscas pela Polícia Federal, Allan dos Santos deixou o Brasil e agora reside nos Estados Unidos. No twitter, ele segue atuando com uma conta reserva apesar das restrições ao seu perfil principal.