Wolff descarta contratar Verstappen para evitar hostilidade como Hamilton e Rosberg em 2016

Redação Motorsport.com
·3 minuto de leitura

Um pedido muito recorrente dos fãs da Fórmula 1 nas redes sociais é a contratação de Max Verstappen pela Mercedes para correr ao lado de Lewis Hamilton, por dois motivos: para que o britânico tenha um rival a altura, já que Valtteri Bottas não consegue bater de frente com o hexacampeão, e para que o holandês possa ter um carro vencedor em mãos. Mas Toto Wolff, chefe da equipe, voltou a descartar essa possibilidade.

No momento, Verstappen tem um contrato de longa duração com a Red Bull, até o final de 2023, mas depois que o holandês teve sucessivos abandonos devido a problemas com o motor Honda, surgiu a informação de que ele teria uma cláusula de saída que pode ser acionada para a temporada de 2022.

Leia também:

Hamilton mostra rancor com Rosberg, exalta Bottas e 'omite' Alonso F1: Massa acredita que Verstappen está pronto para ser campeão F1: Wolff acredita que Red Bull pode ter sucesso caso assuma produção de motores da Honda

Por outro lado, muitos que pedem Verstappen na Mercedes, também questionam se, com isso, o domínio absoluto que Hamilton tem na F1 nos últimos anos continuaria com a mesma facilidade.

No entanto, a pessoa que seria responsável por fazer esse duelo virar realidade, não quer que isso aconteça. Em entrevista ao Beyond the Grid, podcast oficial da F1, Wolff falou que aprendeu o suficiente com o confronto entre Hamilton e Rosberg para concluir que não tem interesse em ver uma repetição de algo do tipo.

"Com o conhecimento que tenho agora, isso não é mais uma opção", disse. "Nós nunca iremos entender exatamente o que aconteceu na relação entre Nico e Lewis. Isso vem há um longo tempo, desde seus dias no kart e em categorias juniores".

"Vimos como a amizade deles se transformou em rivalidade, e depois em hostilidade. Aquela dinâmica que vimos entre eles foi muito difícil de compreender. Tudo começou quando entrei para a equipe em 2013 e, ao longo do tempo, foi piorando".

"Foi algo muito difícil de lidar. Nas reuniões de equipe, havia uma energia muito negativa no ar. A certa altura, chegamos a um ponto em que não era mais aceitável. Aí conversamos sobre isso, mas a hostilidade entre eles permaneceu".

Mas Rosberg surpreendeu o paddock ao anunciar sua aposentadoria da F1 dias após conquistar o título de 2016. E com a chegada de Valtteri Bottas no início de 2017, o clima mudou.

"A chegada de Valtteri foi um alívio para a equipe. É revigorante que não tivemos isso desde que ele se juntou a nós".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Entenda como Verstappen pode sair da Red Bull antes do fim de seu contrato

PODCAST: Hamilton blefa ou fala a verdade ao ameaçar deixar a F1?

Your browser does not support the audio element.