Weverton agradece Palmeiras e faz contagem regressiva para treinos

O Palmeiras mantém desde 16 de março, quando afastou o elenco da Academia de Futebol por conta da pandemia do coronavírus, a mesma postura de só retomar treinos presenciais com aval das autoridades sanitárias. Em live promovida no Instagram do clube e da patrocinadora Crefisa, Weverton agradeceu a diretoria pela decisão. Mesmo sem esconder já estar em contagem regressiva para o dia 1, quando estarão liberadas as atividades no CT.

- Estamos muito ansiosos. A cada reunião que tem para decidir, ficamos na expectativa de voltar. O mais legal é respeitar, em primeiro lugar, saúde, famílias e um momento delicado. Por mais que tenha ansiedade, queremos voltar com segurança, e o Palmeiras nos oferece a segurança de voltar só quando as autoridades liberarem, com um protocolo muito bom estabelecido, com segurança para as nossas famílias. A ansiedade é natural, mas tem que controlar. A volta está cada vez mais perto - disse o goleiro.

- Agora, é contagem regressiva. São duas semanas para estarmos todos juntos. Por mais que não dê para estarmos 100% juntos no começo, mas só saber que está voltando ao ambiente de trabalho, com profissionais envolvidos auxiliando, já é uma sensação maravilhosa. Nós nos falamos mais por telefone e sentimos saudades. Convivemos mais com as pessoas do clube do que com a família, eles são a nossa família no dia a dia. Sentimos muita falta - prosseguiu.

Weverton já está em São Paulo - o elenco passou por exames (incluindo o de detecção da presença de coronavírus) nesta quinta-feira. Mas passou dois meses e 20 dias em Santa Catarina, mais distante do epicentro da pandemia no Brasil, e conta que precisou comprar mais roupas do que esperava, já que a ideia inicial era ficar somente 15 dias no local. Nesse período, contratou um profissional para fazer exercícios para goleiro, fez os treinos acompanhados pelo Palmeiras e seguiu falando com o técnico Vanderlei Luxemburgo.

- O professor tem ligado, muitas vezes até individualmente, para saber como estamos, se estamos cuidando da família. Se estamos bem e a família também, fica mais fácil para trabalhar e viver. Esse sentimento de Família Palmeiras está muito forte entre nós. Quando voltarmos, vamos precisar da união de todos, porque todos serão importantes. Será um ano atípico do que estamos acostumados a viver. Precisaremos mostrar nossa força para atingirmos os objetivos que temos pela frente - comentou o titular do gol alviverde.

- É um ano duro, muita gente perdendo vida, perdendo gente querida, como perdi. Mas é saber conviver com isso, saber que sempre tem coisa boa lá na frente e suportar. É um ano sofrido, duro para todos, mas, daqui a pouco, volta o futebol e temos a possibilidade de fazer um ano maravilhoso, com a chance de sair de um ano não tão bom para fazer um ano maravilhoso. É se agarrar nisso, e o professor tem falado isso no dia a dia: é um ano para conquistar, ganhar e fazer tudo que for possível para isso dar certo - apostou.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também