Wehrlein descarta retorno para “pouco competitiva” F1 e diz que “não poderia estar mais feliz com minha situação”

Redação GP
Grande Prêmio


Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Pascal Wehrlein tem vivido ótima fase em sua carreira. Em sua primeira temporada na Fórmula E, o piloto ressaltou como tem se divertido novamente nas pistas, deixando claro que os tempos de Fórmula 1 ficaram para trás e não sente nenhuma saudade da época.

 

O alemão chegou à categoria no ano de 2016, defendendo a Manor. No ano seguinte, passou a usar as cores da Sauber. Entretanto, com duas equipes pouco competitivas e baixo rendimento, se viu sem espaço no grid para a temporada 2018, precisando procurar outros caminhos na carreira. Foi quando correu no DTM no último ano e, agora, disputa a FE.

 

Ao relembrar o que passou na F1, Pascal deixou claro: a vontade de voltar não passa por sua cabeça. “Não, a nenhum preço”, respondeu ao jornal ‘Bild’ ao ser questionado se consideraria um retorno para a categoria.

 

“Precisa encaixar, como este ano na Fórmula E. Definitivamente não vou voltar para uma equipe da Fórmula 1 em que sei que vou brigar pela 18ª posição. Ir para um final de semana sabendo que o 15º é o máximo não é um esporte competitivo. Não quero mais estar nesta situação”, seguiu.

Pascal Wehrlein (Foto: Mahindra)




Hoje, além de defender a Mahindra na categoria dos carros elétricos, o alemão também assumiu o papel de piloto de desenvolvimento da Ferrari, trabalhando nos simuladores da equipe. Em sua visão, o cenário perfeito para o momento.

 

“Pela primeira vez em muito tempo, me divirto novamente. Não poderia estar mais feliz com minha atual situação, e também me diverti no DTM ano passado. Agora corro na FE, trabalho para a Ferrari no simulador, e piloto em uma equipe em que posso mostrar meu desempenho”, explicou.

 

“Já tive a chance de vencer na Fórmula E duas vezes, e isso me faz sentir um piloto de corridas novamente”, concluiu.


Atualmente, Wehrlein ocupa a nona colocação da classificação da Fórmula E, somando 34 pontos. Em cinco provas disputadas – ficou de fora da abertura da temporada por questões contratuais, teve dois abandonos e uma segunda colocação como melhor resultado.

Leia também