"Você nos deixou felizes, inclusive seus adversários": imprensa global celebra Pelé

Homenagem a Pelé em meio a aplausos da torceida antes do jogo entre West Ham United e Brentford

(Reuters) - O jornal O Globo publicou uma edição comemorativa de quatro capas destacando a carreira de Pelé com a manchete "Pelé Eterno", enquanto publicações de todo o mundo encheram suas páginas nesta sexta-feira com homenagens ao ícone que morreu após uma longa batalha contra o câncer.

Pelé, que saiu da pobreza para se tornar um dos maiores atletas da história moderna, faleceu na quinta-feira aos 82 anos como o único homem a vencer três Copas do Mundo como jogador, deixando os torcedores de futebol do Brasil e do mundo em luto.

O jornal britânico Guardian publicou uma imagem de Pelé radiante nos ombros de companheiros de equipe e torcedores após a vitória do Brasil na Copa do Mundo de 1970 no México, com o repórter Richard Williams descrevendo-o como o "primeiro superastro global do futebol".

"Mais do que isso, junto com Muhammad Ali e Bob Marley, ele pertenceu a um seleto grupo de esportistas e artistas negros que transcenderam seu campo de especialização e alcançaram renome mundial no século XX, com um status apenas meio degrau abaixo de Martin Luther King e Nelson Mandela", escreveu Williams.

No Daily Mail , Jeff Powell escreveu "Pelé era uma joia lapidada - afiada, brilhante e sem falhas."

O diário esportivo francês L'Equipe mudou as cores de suas manchetes para refletir o verde e o amarelo do Brasil, com a foto de um jovem Pelé adornando sua capa. Também estampou as palavras "Pelé. Ele era um rei".

Alfred Draxler escreveu no tabloide alemão Bild que Pelé era melhor que Lionel Messi, Diego Maradona e Cristiano Ronaldo juntos.

Na pátria de Maradona e Messi, o jornal argentino Clarín disse que foi retirado dos gramados mas nunca da memória popular. "Adeus Pelé. Você nos deixou felizes, inclusive seus adversários."

O El Pais, da Espanha, disse em sua primeira página: "Adeus a Pelé, 'o rei' do futebol", com uma foto dele comemorando o triunfo na Copa do Mundo de 1970.

Nos Estados Unidos, onde Pelé jogou pelo New York Cosmos, o New York Times publicou a manchete: "Pelé, um nome que se tornou uma abreviação de perfeição".

No Times of India, o repórter Gautam Bhattacharyya escreveu sobre uma partida amistosa que Pelé disputou em Calcutá em 1977, dizendo: "a cidade provavelmente se apaixonou pelo Brasil porque viu a magia de Pelé".

(Por Shrivathsa Sridhar, reportagem adicional de Aadi Nair e Angelica Medina)