Vitor Pereira é mais Jorge Jesus ou Dorival? Entenda estilo do técnico

Com o acerto entre Flamengo e Vitor Pereira e o anúncio da contratação por detalhes, a torcida já pôs a imaginação para funcionar. Quer saber como jogará o time sob o comando do português. Com dois trabalhos bem-sucedidos nos últimos anos (Jorge Jesus e Dorival Junior), natural que a expectativa gire em torno de o quão próximo de um desses modelos é o estilo do novo treinador.

Crise: Vestiário da Bélgica teve desentendimento entre jogadores após derrota para o Marrocos

Grupo a grupo: Veja classificados, eliminados e o que cada seleção precisa para ir às oitavas da Copa

Vitor Pereira se destaca pela capacidade de adaptação aos diferentes estilos de futebol ao redor do mundo. Não tenta impôr um modo de atuar sem levar em consideração as características do elenco, como tentou fazer Paulo Sousa no Flamengo, por exemplo. Tanto que, em seu começo no Corinthians, adotou a retranca sem receio de ser chamado de defensivo. Quando finalmente começou a pôr em campo suas ideias, a temporada acabou.

No Flamengo e seu elenco com mais opções, isso não deve ocorrer. E o time que a torcida deve ver em campo fica no meio do caminho entre Jesus e Dorival. A marcação ofensiva é uma característica em comum com eles. Principalmente do treinador brasileiro, que fez o rubro-negro marcar na saída do adversário para evitar que os jogadores se desgastassem com recomposição. Pelo mesmo motivo, a valorização da posse de bola é outra intersecção entre os três.

'Futebol primitivo', 'sem jeito': Imprensa uruguaia critica Varela e elogia Arrascaeta

Leia também: Flamengo comunicou saída a Dorival após vazamento sobre Vitor Pereira

Mas as semelhanças devem parar aí. Vitor Pereira gosta de equipes que atacam com amplitude, abusando dos pontas e laterais que acham espaço entre as linhas adversárias. Este não costumava ser um traço tão forte dos times tanto de Jesus quanto de Dorival. Muito pelas características dos jogadores à disposição, é verdade.

O ex-corintiano terá Marinho e Everton Cebolinha, que entraram no time de Dorival com a temporada em andamento e foram mais aproveitados na equipe reserva, que disputou o Brasileiro. Sem contar Bruno Henrique, que retornará após seis meses recuperando-se de uma cirurgia no joelho. No entanto, para isso terá que lidar com um velho dilema: como aproveitá-los e, ao mesmo tempo, acomodar Everton Ribeiro, Arrascaeta, Gabigol e Pedro? Pergunta que só o tempo irá responder.