Vitória bate Mogi na prorrogação e força jogo 5 nas quartas do NBB

Jogando em seus domínios, no Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras, o Vitória venceu o Mogi por 82 a 80, nessa terça-feira, em um confronto histórico válido pelo quarto jogo da série válida pelas quartas de final do Novo Basquete Brasil (NBB). Com o resultado obtido apenas na prorrogação e com a última cesta já com o cronômetro zerado, a equipe baiana consegue levar a série para o quinto e decisivo duelo.

O jogo 5 da série, que definirá o semifinalista, será realizado no Ginásio Professor Hugo Ramos, em Mogi das Cruzes, São Paulo, sábado, às 14 horas.

E a prova do equilíbrio do confronto pode ser vista nas estatísticas. A partida teve dois cestinhas, ambos com 17 pontos, um de cada time. O armador norte-americano Dawkins, pelo Vitória, e o Ala Filipin, pelo Mogi.

O jogo

A partida começou equilibrada e com as duas equipes marcando poucos pontos. Aos poucos, o Vitória passou a acertar suas cestas e os visitantes ficaram estacionados nos quatro pontos. Com isso, a equipe baiana abriu dez pontos de vantagem. Contudo, o time paulista se recuperou nos últimos quatro minutos e conseguiu reduzir a diferença de pontos. O quarto acabou em 20 a 17 para os mandantes.

Após um início lento, o time da casa começou a ir pontuando, enquanto seu adversário não conseguia sair dos 22 pontos. Com isso, uma vantagem de 17 pontos foi criada, no entanto o Mogi conseguiu ter um final de quarto um pouco melhor e diminuiu um pouco o estrago feito. O confronto foi para o intervalo com o placar de 43 a 31.

O Mogi voltou do intervalo muito bem e fez o Vitória comer poeira. A equipe paulista conseguiu silenciar o ataque adversário e levou a melhor no quarto por 23 a 9. Com isso, os visitantes viraram o quarto e foram para o último período com o placar a seu favor de 54 a 52.

E assim a partida continuou, com o Mogi sempre apertado, mas, sempre à frente. O Vitória, talvez pelo fato de não conseguir virar o placar, passou a demonstrar nervosismo. Era tudo que o time de Mogi queria. Dessa forma, a diferença aumentou para seis pontos. Mas, aí apareceu Renato, com suas cestas seguidas de três.

Ginásio em pé, técnicos pedindo tempo e jogadores com a cara de tensão estampada em seus rostos. Os últimos segundos foram dramáticos e a bola do jogo caiu na mão do Mogi, que falhou e viu a partida ir à prorrogação em 71 a 71.

No tempo extra, apesar de uma alternância maior do líder no placar, o jogo não teve seu panorama alterado. Um não deixava o outro abrir muita vantagem e de novo o duelo estava empatado restando poucos segundos. Mas, em um rápido contra-ataque, André Goes sofreu falta e foi para a linha de lances livres já com o cronômetro zerado. Nada que afetasse a concentração do jogador, que converteu suas duas chances e deu a vitória ao time da casa por 82 a 80.

 

Leia também