Virna pode ser homenageada pelo Flamengo por título histórico

Web Võlei
·2 minuto de leitura


Virna, ex-ponteira da Seleção Brasileira, duas vezes medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos (Atlanta-1996 e Sydney-2000), pode dar nome à quadra de vôlei do Flamengo.

Protagonista, ao lado de Leila, da conquista memorável da Superliga Feminina 2000/2001 com o manto rubro-negro, na icônica vitória sobre o rival Vasco diante de um Maracanãzinho absolutamente lotado, Virna, flamenguista declarada, pode ter seu nome escrito com louvor na história do clube. O feito, com a vitória eletrizante, após um 17/15 no tie-break, completa 20 anos no próximo dia 18 de abril.

Proposto pelo conselheiro do clube, Filipe Rocha, o projeto precisa ainda da aprovação do conselho para ser implementado. O Flamengo quer oficializar a homenagem até abril, antes de o título completar duas décadas.

Virna não escondeu a alegria e o orgulho com a homenagem.

- A final parou o vôlei do Brasil. Duas torcidas de massa, rivais, se enfrentando no Maracanãzinho lotado, foi inesquecível. Tinha muita emoção envolvida, foi uma partida jogada com o coração, com a alma. Me sinto honrada com a possibilidade de ter uma homenagem como essa. Sou flamenguista, sempre vesti a camisa 10 por causa de Zico e vesti essa camisa com muito orgulho - disse a jogadora, em conversa com o Web Vôlei.

- Desejo que essa história que a gente escreveu no clube há tanto tempo seja para sempre lembrada e que isso incentive e inspire novas gerações e crianças que estão começando agora no esporte - completou a camisa 10 do Flamengo e da Seleção.

No jogo final, diante de 10 mil pessoas no Maracanãzinho, o Flamengo, liderado por Virna, Leila e Valeskinha, bateu o Vasco, de Fernanda Venturini, Márcia Fu e Fabi, por 3 sets a 2 (23-25, 25-16, 25-20, 21-25, 17-15), fechando a série melhor de 5 jogos em 3 a 1. O técnico rubro-negro era Luizomar de Moura, em início de carreira. Isabel era a treinadora do Vasco. Outras jogadoras que compunham o elenco rubro-negro eram as levantadoras Eth e Gisele, Josiane (líbero), a norte-americana Tara Cross, além de Arlene, Ciça, Priscila e Soninha.