Violência e xenofobia: ninguém quer jogar contra a África do Sul

Goal.com
Juan Manuel Lopez banner
Juan Manuel Lopez banner

"Sabemos que ao menos dez pessoas morreram nesta violência, dois dos quais eram estrangeiros. Não há ira, frustração ou problema que possa justificar esses atos de destruição gratuita e de criminalidade", declarou o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa (66 anos), nos primeiros dias de setembro. A xenofobia que vive o país causou uma rápida reação no resto do continente. O futebol, claro, não deixa escapar esta realidade. O espetáculo, aqui, não continua.

Na última data FIFA, Zâmbia e Madagascar cancelaram os jogos que já estavam confirmados. A seleção sul-africana devia viajar a Lusaka, capital de seu grande vizinho do sul, para o jogo amistoso que se disputaria em 7 de setembro. O conjunto da Zâmbia, em um claro boicote por conta dos ataques xenófobos, suspendeu o encontro.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A nação que organizou a Copa do Mundo de 2010, longe de se alarmar demasiadamente, se moveu rapidamente e conseguiu outro rival para jogar na mesma data: Madagascar.

"É um time muito bom e creio que são uma boa substituição. Será uma linda oportunidade para mostrar amor e solidariedade aos nossos irmãos e irmãs africanos", disse o técnico da África do Sul, Molefi Ntseki, às vésperas do jogo programado para acontecer em Johannesburgo. Porém, em que pese as boas intenções do treinador e suas palavras de paz, o jogo também foi cancelado. Por que? Outro boicote que se vê como uma advertência.

"Depois de avaliarmos melhor, decidimos não viajar à África do Sul. Trata-se de proteger nossos jogadores e as pessoas que vivem nesse país", comunicou a federação da nação insular, localizada no Oceano Índico.

Danny Jordaan, presidente da Associação de Futebol da África do Sul, entendeu a recusa: "A realidade é que os jogos contra Zâmbia e Madagascar foram cancelados por conta da violência. Como associação de futebol, país e pessoas, devemos enfrentar isso. O que nunca podemos fazer é nos tirar do continente africano. Nosso destino e nosso futuro estão ligados ao continente".

A violência xenófoba se manifestou sobretudo em Johannesburgo e em Pretoria. Grupos de sul-africanos organizados assaltaram negócios que têm como proprietários imigrantes de outros países africanos. Os nigerianos, especialmente, foram os mais atacados, criando assim fortes tensões diplomáticas com o outro gigante do continente.

As cifras, nesta história, são eloquentes. Em uma semana, se calcula que houve ao menos 12 mortes e cerca de 800 pessoas de origem estrangeira foram retiradas de suas residências. Outra versão do pobre vs. pobre lutando pela menor parte do pastel. O que dizem os donos da porção maior? Não sabem, não contestam.

Leia também