Vini Jr. e Paquetá quebram gelo na Copa e têm papel decisivo em vitória do Brasil

Na primeira Copa do Mundo de Vini Jr e Paquetá, a dupla criada no Flamengo demorou, mas desencantou. Autores cada um de um gol sobre a Coreia do Sul, os jovens quebraram o gelo na competição e tiveram papel essencial na goleada do Brasil nas oitavas de final.

Vini abriu o caminho da vitória com um golaço que demonstrou todo o seu amadurecimento, em jogada iniciada por Paquetá, que serviu Raphinha no fundo. Aos 22 anos, Vini já havia sido importante nas duas primeiras partidas, e teve um gol anulado. Dessa vez, também deu linda assistência para o amigo Paquetá quebrar o jejum no quarto gol da seleção.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Apesar de mais velho, 25 anos, o meia vinha mal até agora no Catar. Chegou a conviver com uma virose que o atrapalhou na preparação, mas passou em branco nas duas primeiras rodadas, tanto como segundo homem de meio-campo, como mais adiantado, na vaga de Neymar.

Tite o tirou das partidas contra Sérvia e Suíça, mas voltou com Paquetá na função mais recuada nas oitavas. Já Vini Jr foi titular absoluto da equipe até agora, e protagonista mesmo com a presença de Neymar.

Em maio de 2017 o Flamengo vendeu o atacante Vinicius Junior, de apenas 16 anos, para o Real Madrid, por 45 milhões de euros (cerca de R$ 166 milhões, na época). O jogador deixou o clube no ano seguinte, quando completou 18 anos. A venda de Paquetá aconteceu em 2018.

O meia foi negociado ao Milan por 35 milhões de euros (R$ 149 milhões na ocasião) em outubro, quatro meses depois de Vini Jr fazer a sua despedida no Maracanã.

A dupla atuou junta desde a base, e no profissional jogou entre 2017 e 2018, sob o comando dos técnicos Zé Ricardo, Reinaldo Rueda, Paulo César Carpegiani e Maurício Barbieri.