Vida fora do UFC! Paulo Thiago narra como estabilizou carreira no MMA

Paulo Thiago ficou famoso entre o grande público fã de MMA em virtude dos cinco anos em que atuou como atleta do UFC, o que lhe conferiu inclusive o status de estrela na primeira edição do show na cidade do Rio de Janeiro, em agosto de 2011. Mas depois de deixar o plantel da organização em 2014 e passar a competir em torneios menores, o policial do Bope de Brasília, mesmo com queda de apelo e popularidade, encontrou o seu lugar no esporte a ponto de garantir que existe vida fora do octógono mais famoso do mundo.

Escalado para fazer o co-main event do Fight2Night, evento programado para esta sexta-feira (28) na cidade de Foz do Iguaçu, o atleta de 36 anos, que encara Faiçal Hucin em busca de sua terceira vitória seguida no esporte, não escondeu o receio dos danos que o corte do UFC poderiam causar em sua carreira. E até se reerguer, o ‘Caveira’ precisou ainda lidar com lesões de última hora.

“Achava que depois que saísse do UFC seria o fim da carreira. Para mim foi bem difícil a volta, porque depois que saí tive uma lesão na coluna e fiquei um bom tempo sem lutar e sem treinar, só fui lutar dois anos depois que saí do UFC. Mas depois fiz uma luta, depois outra, uma atrás da outra, muita oportunidade. Ano passado fiz três lutas em menos de cinco meses. Após essa vitória no Fight 2 Night apareceram muitos convites internacionais”, relatou em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight.

O atleta também aproveitou para enaltecer sua mudança de categoria. Acostumado a competir na divisão dos meio-médios (77 kg), o brasiliense optou por subir de peso e competir entre os médios (84 kg) desde que deixou o UFC. E a opção está dando certo, pelo menos de acordo com seus últimos resultados.

“Para mim, lutar no peso-médio está sendo muito bom, porque credito muitas das minhas derrotas à perda de peso. Me desgastava bastante, muitas das minhas lutas no UFC eu começa bem no primeiro round, depois eu morria no segundo e no terceiro. Muitas vezes isso caia na contas dos preparadores, da preparação física, mas isso não era verdade porque eu saia da academia voando, treinando muito bem, mas quando chegava na luta não rendia. Eu não reagia bem a essa perda de peso, e desde que mudei de categoria lutei todas bem”, analisou.

Paulo Thiago também aproveitou para não fechar as portas para o Ultimate. De acordo com o brasileiro, ao contrário dos atletas em início de carreira, ele diz ficar tranquilo por já ter sua história na maior organização do mundo, mas também garantiu que não descarta um retorno no futuro. E, enquanto esse convite não chega, o brasiliense segue aproveitando o momento.

“Não acho que eu esteja no fim da minha carreira. Muita gente no começo da carreira almeja chegar ao UFC, mas como já passei por lá fico mais tranquilo. Se eu tiver a oportunidade de voltar será muito bom poder lutar no UFC de novo. Estou curtindo minha carreira, lutando luta após luta e existem outros grandes eventos aí no mundo”, completou.