Vice-presidente do Flamengo analisa receitas e fala em SAF: 'A gente olha 10 anos para frente'

Tostes se tornou vice-presidente na gestão Rodolfo Landim (Foto: Reprodução)


O Flamengo já está em Guayaquil e, além de elenco e comissão técnica, dirigentes também fazem parte da delegação. Entre eles, o vice-presidente de finanças, Rodrigo Tostes, que concedeu entrevista à ESPN nesta quinta-feira. Entre os assuntos abordados, ele analisou as receitas do clube e falou sobre a possibilidade de SAF, no futuro.

+ Arrascaeta 100%? Veja os possíveis problemas do Flamengo para a final da Libertadores

Com o projeto iniciado desde a gestão Bandeira de Mello, o Rubro-Negro consegue investir e, atualmente, arrecada valores históricos. Na temporada passada, por exemplo, conseguiu R$ 1 bilhão. Para Tostes, o futuro é importante e pode passar por um processo de SAF, que é analisado por alto no clube.

- Estamos muito satisfeitos com nossa projeção de receita. Foi um projeto que começou há 10 anos e mais uma vez vamos atingir a marca de um bilhão de faturamento. E deve ter uma receita de 300 a 350 projetados. O Flamengo sempre orça chegar às semifinais e esse orçamento que projeta as receitas que permite a gente continuar investindo - disse, antes de prosseguir:

+ Transmissão da final da Libertadores: onde assistir a Flamengo x Athletico

- Flamengo faz avaliação de todo mercado, avalia e pega as melhores práticas. Flamengo não deixa de avaliar nenhuma opção. É uma realidade estudar as possibilidades, temos que olhar para o lado e ver os que os outros fazem de certo e errado. A gente olha 10 anos para frente para imaginar onde devemos estar - complementou.

De olho no fim da temporada, o Rubro-Negro deve superar a vasta maioria das metas estipuladas para a temporada, especialmente em premiações. Se vencer a Libertadores, neste sábado, o clube pode ter cerca de R$ 200 milhões em prêmios.