Vice de controladoria, Adriano Mendes deixa a diretoria do Vasco

Campello perdeu Adriano Mendes, antes importante aliado na política e gestão do clube (Foto: Reprodução/Twitter)
Campello perdeu Adriano Mendes, antes importante aliado na política e gestão do clube (Foto: Reprodução/Twitter)


O que era esperado se concretizou. Na tarde desta segunda-feira, o vice-presidente de controladoria do Vasco, Adriano Mendes, anunciou o desligamento dele da diretoria do clube. Já era uma saída esperada pelas divergências importantes do agora ex-dirigente com o presidente do Cruz-Maltino, Alexandre Campello. O LANCE! revelou os bastidores da já desenhada saída no último dia 10. Mesmo assim, é mais um antes aliado que deixa a atual gestão cada vez mais esvaziada.

Por outro lado, a saída de Adriano indica que um montante relevante proveniente do Banco BMG está a caminho. A expectativa era de que o desligamento do então braço direito de Campello se desse à medida em que o aporte estivesse a caminho. Tal dinheiro será destinado ao pagamento dos salários atrasados, e deve ocorrer nos próximos dias - esta segunda-feira é feriado no Rio.

Neste dia 20 de janeiro se completa mais um mês em atraso dos pagamentos de salário vascaínos. Além desta folha - a de dezembro -, atletas e funcionários têm novembro, férias e o 13º vencidos. Há jogadores também com direitos de imagem por receber.

Na longa nota oficial (publicada na página do grupo "Desenvolve Vasco" no Facebook) em que anuncia o desligamento da gestão de Campello, Adriano Mendes pondera: "Sou de opinião de que o Vasco ainda necessita de um rigoroso novo corte de gastos, adicional ao previsto no Orçamento elaborado para 2020 e que todo recurso obtido nessa frente seja destinado para o pagamento dos montantes em atraso. O Presidente entende, ao contrário, que o Orçamento não precisa ser seguido com tal rigor, especificamente no Futebol, e que há espaço para novas contratações, com gastos adicionais aos previstos originalmente pela equipe financeira do Clube. Entendo que isso representa um rompimento com os principais conceitos estabelecidos no Plano de Recuperação de Médio Prazo e coloca uma pressão desnecessária e não razoável no já apertado fluxo de caixa do início do ano."

Noutros trechos da nota, ele se coloca à disposição para seguir ajudando ao clube em temas específicos. Além disso, evita o embate mais duro com a direção. Na diretoria comandada por Campello, a vice-presidência de controladoria não era estatutária, mas já são, agora, quatro pastas sem comando, a de futebol sendo ocupado pelo próprio presidente e Cláudio Fernandez chefiando tanto a comunicação quanto as relações públicas.








Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também