Vettel lamenta final de semana ruim, mas espera domingo melhor: "Não pode ficar pior do que já está"

·3 minuto de leitura

Depois de um final de semana complicado, andando muito pouco na sexta por problemas no carro, que se repetiram no sábado, Sebastian Vettel ainda conseguiu chegar ao Q3 e largará em décimo no GP da Grã-Bretanha de Fórmula 1. Mas o alemão não ficou muito feliz, ainda mais que Charles Leclerc largará em quarto.

Na sexta, Vettel teve problemas no intercooler durante o TL1 e, posteriormente, com os pedais de freio no TL2, que voltaram a dar problemas hoje pela manhã.

Leia também:

Hamilton supera Bottas e faz a pole do GP da Grã-Bretanha de F1 Hamilton celebra 91ª pole e volta por cima após rodada no Q2: "Consegui me recompor a tempo para o Q3" Decepcionado após perder pole, Bottas acredita que tem chance de vencer amanhã

Na classificação, o tetracampeão poderia ter conseguido um tempo melhor, mas sua última volta foi deletada por exceder o limite da pista na Copse, Curva 9 de Silverstone. Vettel deixou claro que a equipe não está prestando menos atenção a ele em comparação a Leclerc, com todo o trabalho feito em cima de seu carro.

"Não acuso ninguém de má intenções", disse. "Do meu lado, não foi ideal. Tive problemas para encontrar o ritmo. Como disse, estou relativamente confiante que amanhã será melhor. O quanto, não sei. Não posso prometer nada, mas não pode ficar pior do que já está".

Perguntado sobre o que deu errado na classificação, Vettel disse: "A resposta mais honesta é que eu não sei. Sofri um pouco para entrar no clima certo e no ritmo, algo importante aqui. Ontem eu não andei muito, poucas voltas de qualidade e hoje tive mais um problema. Mas agora o carro estava ok".

"Eu sofri para fazer dar certo. Então acho que é mais questão de fazer tudo dar certo. Não foi uma boa sessão, mas vamos ver o que será possível fazer amanhã".

"Amanhã largarei com os pneus errados e no fim do Top 10, então não será uma corrida fácil".

Vettel confessou, porém que a situação de saber que sairá da Ferrari no final do ano não torna as coisas mais fáceis.

"Não é ideal. Não tem sido um ano fácil até aqui. Principalmente agora com as corridas em sequência. Então pode ser algo ruim como também pode ser uma benção".

"Obviamente os últimos dois dias não foram bons e, com isso, eu perdi um pouco do ritmo. Até aqui, a primeira semana foi problemática, a segunda não aconteceu. A terceira foi a primeira a correr um pouco melhor, mas agora estamos com problemas novamente. É um começo difícil, mas fazer o que, não tenho escolha".

"Estou determinado a continuar dando o meu melhor. O pessoal está dando o melhor deles. Não acredito que há má intenção de ninguém. Tivemos problemas ontem e hoje, mas temos que seguir em frente e vamos superar isso".

Racing Point e Red Bull lideram, Hulkenberg vive saga para voltar à F1 e Drugovich é pole na F2

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil e os ambientes de F1 favoritos de Reginaldo Leme

Your browser does not support the audio element.