Verstappen vence GP do México de F1 com folga e amplia vantagem sobre Hamilton

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em uma prova que mostrou a superioridade dos carros da Red Bull na reta final da temporada do Mundial de F1, os pilotos Max Verstappen e Sergio Perez conquistaram neste domingo (7) o 1º e o 3º lugar no pódio, respectivamente, no GP do México.

Segundos após a largada, na longa reta que antecede a primeira curva da pista, Verstappen aproveitou o vácuo proporcionado pela Mercedes de Valtteri Bottas para ganhar velocidade, frear forte no último instante e assumir a ponta, quebrando o paredão formado pelo finlandês e por Lewis Hamilton, o segundo do grid inicial.

Para piorar a situação de Bottas, ele foi tocado Daniel Ricciardo, da McLaren e perdeu muitas posições. Ele terminou a corrida na 15ª posição.

O heptacampeão Hamilton viu-se espremido entre os pilotos da Red Bull durante a maior parte do circuito e teve de trabalhar duro para manter o segundo lugar, enquanto Verstappen mantinha larga vantagem, repetidamente superando seu próprio tempo a cada volta no autódromo Hermanos Rodríguez. O piloto inglês sofreu para segurar Perez.

Esta temporada da F1 está marcada pela intensa rivalidade entre o Hamilton e Verstappen, que disputam de forma acirrada o título do Mundial de pilotos. Com os resultados do GP do México, a vantagem de Verstappen foi ampliada. Ele agora soma agora 312,5 pontos contra 293,5 do piloto inglês.

A rixa entre os favoritos se dá dentro e fora das pistas, com momentos semelhantes aos das disputas entre Ayrton Senna e Alain Prost, considerados os maiores antagonistas da categoria.

No auge da disputa entre o brasileiro e o francês pela supremacia nas pistas, em 1989, quando restavam apenas dez voltas para a última bandeirada no GP do Japão, Prost atirou seu carro contra o de Senna para impedir a vitória do companheiro de Mclaren que, por sua vez, partia para o tudo ou nada na tentativa de conquistar o mundial. O troféu acabou com o europeu, mas o sul-americano deu o troco no ano seguinte, da mesma forma e na mesma pista, para se consagrar campeão.

Algo similar ocorreu entre Hamilton e Verstappen no último GP da Itália, em setembro, quando os líderes do campeonato protagonizaram um acidente feio. Diferente do caso Prost-Senna, no entanto, os pilotos negaram ter sido algo premeditado.

Mas a simbologia estava dada e, em entrevista ao Daily Mail, concedida na última quinta-feira (4), o próprio Hamilton, comentando a rivalidade com o holandês, relembrou o episódio entre o brasileiro e o francês, ressaltando que é contra um desfecho como esse e afirmando a importância de "jogar limpo".

No entanto, o CEO da Mercedes, Toto Wolff, não descarta que, em uma última corrida da temporada, com os dois rivais tendo possibilidade de conquistar o título, cena parecida como as protagonizadas por Senna e Prost aconteça.

A próxima etapa do mundial, o GP de São Paulo, será realizada no domingo (17), no autódromo de Interlagos, com expectativa de comparecimento massivo do público, como anunciado nesta semana pela gestão João Doria (PSDB) e em outras oportunidades.

Em agosto, quando ainda nem era possível ter público em eventos esportivos no estado, o governador afirmou que a pista receberia o público máximo de sua capacidade, 70 mil pessoas. Na ocasião, aproveitou para tripudiar a vitória sobre seu rival político, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que desejava que o GP fosse transferido para o Rio de Janeiro.

"O senhor é nosso convidado para vir aqui. Pode até vir de motocicleta, desde que o senhor use máscara, passe álcool em gel nas suas mãos, tire a temperatura e esteja vacinado", disse Doria, em recado a Bolsonaro.

Veja a classificação do GP do México:

1º - Max Verstappen (HOL/Red Bull)

2º - Lewis Hamilton (ING/Mercedes)

3º - Sergio Perez (MEX/Red Bull)

4º - Pierre Gasly (FRA/AlphaTauri)

5º - Charles Leclerc (MON/Ferrari)

6º - Carlos Sainz (ESP/Ferrari)

7º - Sebastian Vettel (ALE/Aston Martin)

8º - Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo)

9º - Fernando Alonso (ESP/Alpine)

10º - Lando Norris (ING/McLaren)

11º - Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo)

12º - Daniel Ricciardo (AUS/McLaren)

13º - Esteban Ocon (FRA/Alpine)

14º - Lance Stroll (CAN/Aston Martin)

15º - Valtteri Bottas (FIN/Mercedes)

16º - George Russell (ING/Williams)

17º - Nicholas Latifi (CAN/Williams)

18º - Nikita Mazepin (RUS/Haas)

Não completaram

19º - Mick Schumacher (ALE/Haas)

20º - Yuki Tsunoda (JAP/AlphaTauri)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos