Versátil e com perspicácia, Paquetá muda história do duelo da Seleção e ganha mais moral com Tite

·2 minuto de leitura


Um minuto. Foi o tempo que Lucas Paquetá precisou em campo para mudar o rumo da Seleção Brasileira em um jogo que se desenhava difícil diante do Chile em jogo válido pelas quartas de final da Copa América no Nilton Santos. A maneira como tabelou com facilidade com Neymar acenou que o camisa 17 é quem tem se tornado a melhor cartada do técnico Tite em um período no qual a equipe canarinha padece para se encaixar.

Paquetá entrou em campo após uma etapa inicial marcada por muitos desencontros no meio de campo da Seleção Brasileira. O quarteto formado por Neymar, Firmino, Richarlison e Gabriel Jesus raramente conseguiu ameaçar a zaga chilena.

Muito disto ocorria pela dificuldade de transição na equipe como um todo, mas também pelos lampejos que assolavam o setor ofensivo. Por mais que Neymar batalhasse por jogadas contra a marcação chilena, Roberto Firmino era pouco produtivo na missão de ser "um 9 que é também 10".

Em vez de agir como articulador, como projeta Tite, o camisa 20 ficava na área e pouco aparecia. Em rara chance, o cruzamento de Neymar não foi dominado pelo atacante.

Diante de um Chile que fortalecia sua marcação, ganhava espaço e começava a rondar a meta de Ederson, o Brasil chegou a recorrer a Danilo para ameaçar a meta de Bravo. No mais, a etapa inicial foi marcada por espasmos vindos dos pés de Neymar e de Richarlison. Além disto, Gabriel Jesus proporcionou uma grande finalização.

Brasil x Chile
Brasil x Chile

Paquetá e Neymar comemoram o gol do camisa 17 (CARL DE SOUZA / AFP

Lançado por Tite no intervalo, Lucas Paquetá logo deixou seu cartão de visitas. O passe de Casemiro culminou na tabela entre o camisa 17 e Neymar e, posteriormente, em sua finalização fulminante.

- É um atleta que tem produzido bastante para a gente. Entendo que para a carreira dele também. Algumas funções que não sabíamos que podia executar ele vem executando muito bem. O futebol moderno exige muito da participação defensiva e ofensiva dos defensores - declarou o auxiliar César Sampaio.

Mesmo em um jogo no qual a imprudência de Gabriel Jesus (expulso minutos depois do gol por um chute em Mena) trouxe um novo desafio para a Seleção Brasileira, Paquetá seguiu com uma função relevante. Em um teste á solidez defensiva da equipe de Tite, o camisa 17 foi aprovado.

- Esse atleta quando consegue fazer a parte dele, que é um articulador, e ainda consegue contribuir defensivamente, ele acaba sendo um atleta muito produtivo - disse.

A Seleção enfrenta o Peru nas semifinais da Copa América, segunda-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos