Verratti: o PSG não é mais forte que o Barcelona

Caros torcedores, caros fãs do futebol,

Às vésperas de uma das partidas mais importantes que irei disputar com a camisa do Paris Saint-Germain, mais uma vez, venho falar a vocês. No futebol moderno, tudo acontece muito rápido. Poucos acreditaram em nós antes da partida de ida contra o Barcelona, e, desde aquela vitória, todos agora acham que somos favoritos a vencer a Champions League. Sabíamos da chance que tínhamos contra o Barça, que poderíamos criar problemas para eles, mas para isso precisávamos ter uma atuação perfeita. Era difícil imaginar uma noite como aquela que tivemos.

Estamos muito bem preparados para a volta, como se fosse ainda o primeiro jogo. Ficou claro que tudo aquilo pelo qual trabalhamos antes da ida foi aproveitado naqueles 90 minutos. Mas não quer dizer que, agora, achamos que somos melhores que o Barça. Isso seria o pior que poderia acontecer. Em dezembro, perdemos por 3 a 0 para o Montpellier, mas isso não quer dizer que eles são melhores que nós. Honestamente, acho que devemos ter o maior respeito por nossos adversários. Fizeram história no futebol, contam com os melhores jogadores do paneta...

Temos uma boa chance para elimina-los, mas a tarefa está longe de ser concluída. Vamos precisar fazer uma grande partida no Camp Nou. Acima de tudo, devemos tomar cuidado com a confiança em excesso. O jogo de ida nos deixou um parâmetro, nos deu confiança e prova que somos capazes de algo como aquilo. Agora, é hora de começar tudo de novo.

É preciso tomar cuidado para não interpretar mal meus comentários, como aconteceu antes do primeiro jogo. Não, eu não sonho em jogar pelo Barcelona. Após o jogo contra o Bordeaux, um jornalista espanhol me perguntou sobre o clube, e eu apenas expliquei que era um prazer, para mim, que um clube como o Barcelona, ou Real Madrid, ou Bayern de Munique se interessasse por mim. São equipes que só vão atrás dos grandes jogadores, então é uma satisfação ser ligado a esse tipo de informação.

Mas, digo isso mais uma vez: me sinto muito bem aqui em Paris, e tenho o maior respeito pelo clube. Podemos não estar no nível de Barça, Real ou Bayern, mas podemos chegar lá em breve.

Verratti GFX

Nosso projeto se iniciou há cinco anos. O que isso representa na medida do futebol? Nada. Para chegar a um nível tão alto, ainda há muito trabalho pela frente. Fico honrado de fazer parte disso. Fala-se muito sobre mim, mas não sou uma estrela do futebol. Há muitos jogadores que conquistaram o que eu ainda não consegui. Um exemplo no PSG é Ángel Di María: ele venceu a Champions League pelo Real Madrid e foi um dos melhores jogadores do clube.

Sim, é verdade que venho crescendo nos últimos tempos. Quando se joga pelo Paris Saint-Germain, que almeja vencer uma Champions League, você precisa amadurecer. Ter vindo para cá foi uma escolha muito boa na minha carreira. Ainda não fiz nada de excepcional, mas sinto que estou no caminho certo. Jogar pela seleção também é importante, pois é sempre mais difícil ter sucesso pelo seu país.

Meu grande objetivo é estar na Copa do Mundo da Rússia no próximo ano. Sinto que o treinador tem me dado confiança, assim como meus companheiros de equipe. Quando converso com outros jogadores, posso sentir isso deles. Não sou mais o garoto Marco Verratti. Assumo a responsabilidade e gosto disso, pois preciso passar por isso para continuar crescendo.

É por isso que faço um alerta a meus companheiros de equipe para este jogo da volta. O começo da partida vai ser muito difícil para nós, com 30 minutos iniciais que serão cruciais para determinar nossas chances. Eles vão atacar de todas as partes, acho, e se todos os jogadores do Barcelona derem 100% de si, então precisamos lutar ainda mais. Para eles, marcar quatro gols em casa é algo rotineiro. Os espaços vão aparecer, e é aí que precisamos tirar vantagem.

Também precisamos lembrar dos jogos que perdemos lá. Não são as melhores lembranças, mas foram partidas que nos fizeram crescer. No começo, ficávamos um pouco impressionados com este estádio, com esta equipe, com a Champions League... agora, não é mais o caso. Agora, nós também somos experientes.