#Verificamos: É falso que TV Bandeirantes foi comprada pelo Partido Comunista Chinês

Yahoo Notícias
Reprodução
Reprodução

Circula nas redes sociais um post que diz o Partido Comunista Chinês comprou a TV Bandeirantes. A publicação sugere que, por isso, o apresentador Luís Ernesto Lacombe foi demitido pela emissora, devido a críticas ao “projeto chinês de comprar o Brasil” feitas pelo blogueiro Allan dos Santos, do site Terça Livre, entrevistado por Lacombe na última terça-feira (23), durante o programa Aqui na Band. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

Reprodução
Reprodução

“O Partido Comunista Chinês comprou a REDE BAND DE TV”
Legenda de imagem publicada no Facebook que, até as 17h do dia 26 de junho de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 350 pessoas

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Em nota, a assessoria do Grupo Bandeirantes diz que a informação se trata de “fake news”. No e-mail enviado à reportagem, a assessoria envia um texto sobre o acordo de cooperação de conteúdo entre o Grupo Bandeirantes e a China Media Group, empresa estatal chinesa de mídia, em novembro de 2019.

O contrato, segundo a nota, prevê produções conjuntas e compartilhamento de conteúdo com o objetivo de promover o desenvolvimento das relações entre os dois países. O acordo ainda prevê parceria em produtos de entretenimento – como novelas, programas e documentários – e intercâmbio de tecnologias de rádio e televisão. O China Media Group reúne os principais veículos de comunicação chineses, como a rede de televisão aberta CCTV e o canal internacional de notícias CGTN. Um acordo semelhante foi assinado pelo grupo com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), em novembro de 2019.

Ou seja, não há nenhuma relação de compra da Rede Bandeirantes no acordo entre as empresas. A Lei 10.610, de 2002, que trata da participação de capital estrangeiro nas empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens no Brasil, limita a participação de capital estrangeiro em até 30% do capital total e votante.

A TV Bandeirantes já havia renovado em 2017 um contrato de cooperação de conteúdo com a TV estatal chinesa CCTV. O acordo, assinado inicialmente em 2011, previa compartilhar e produzir conteúdo nas áreas do entretenimento, agricultura, música e jornalismo.

Saída de Lacombe

A Band anunciou na quinta-feira (25), por meio de uma nota, que o jornalista Luís Ernesto Lacombe decidiu deixar a emissora. De acordo com o texto, o programa Aqui na Band, que era apresentado por Lacombe, “está passando por reformulações”. “Diante desse novo momento, o jornalista e apresentador Luís Ernesto Lacombe decidiu seguir novos caminhos”, complementa a nota.

A polêmica começou quando, na terça-feira (23), o programa Aqui na Band recebeu o blogueiro Allan dos Santos, do portal Terça Livre, um dos principais alvos do Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito das “Fake News”, que que apura a divulgação de notícias falsas, ofensas e ameaças a ministros do STF. Com o tema “Você sabe o que é conservadorismo?”, o programa recebeu ainda o analista político Flávio Morgenstern, o jornalista Alexandre Garcia e o cientista político Marcus Vinicius Freitas. Na ocasião, Lacombe se definiu como “conservador”.

Reportagens publicadas na imprensa relatam que circulava a informação nos bastidores de que diretores da emissora estariam insatisfeitos com pautas vistas como tendenciosas e a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pela atração matinal. Por isso, o programa passaria por uma reformulação. No dia 11 de maio, o Aqui Na Band, por exemplo, trouxe advogados para discutir o tema: “Quem mandou matar Jair Bolsonaro?”. A Polícia Federal já descartou, em dois inquéritos distintos, a existência de um mandante no atentado sofrido por Bolsonaro em setembro de 2018. Na nota enviada à reportagem, a TV Bandeirantes não comentou a demissão de Lacombe.

O apresentador, pelo instagram, também não comentou a demissão, mas fez uma postagem indireta nesta quinta-feira (25), ao citar o escritor Ruy Barbosa como defensor da “liberdade, da democracia e da justiça”. “Momentos de silêncio também são capazes de construir”, diz o texto.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

Leia também