#Verificamos: Carlos Bolsonaro não publicou foto com flores e arma no dia da morte de Marielle

Reprodução
Reprodução

por Chico Marés

Circula nas redes sociais uma foto do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) segurando uma arma e um buquê de flores. Segundo a legenda, o vereador teria publicado a imagem minutos depois do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), em março de 2018. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que as fotografias que viralizaram fossem analisadas. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Reprodução
Reprodução

“Eis a foto postada por Carlos Bolsonaro, minutos após o assassinato de Marielle Franco. DEU PRA ENTENDER PORQUE ELE APAGOU TODAS AS REDES SOCIAIS? Só que a galera já havia guardado as imagens…. A CHAPA TÁ ESQUENTANDO!!”
Legenda de imagem publicada no Twitter que, até as 18h30 do dia 25 de novembro de 2019, tinha sido retuitado por 1,2 mil pessoas

FALSO

A imagem analisada pela Lupa não foi publicada no dia da morte de Marielle Franco (PSOL). Na verdade, o vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC) tuitou a fotografia no dia 14 de setembro de 2016, exatamente um ano e meio antes do assassinato da vereadora, ocorrido em 14 de março de 2018.

Na ocasião, o filho do presidente Jair Bolsonaro publicou a imagem com a seguinte legenda: “QUANDO INVADIREM MINHA CASA: Toma aqui esse buquê de flores, sinhô vagabundo s/ oportunidade!”. Embora Carlos tenha apagado sua conta no Twitter, é possível encontrar este tuíte – e vários outros – usando a ferramenta Wayback Machine. Em novembro de 2018, a imagem foi reproduzida em reportagem do jornal Extra.

Reprodução
Reprodução

Além disso, o fotógrafo Erick Dau compilou todos os tuítes do vereador desde março de 2017. No dia da morte de Marielle, ele fez três publicações no Twitter. Nenhuma delas tinha a foto analisada. Na primeira, Carlos falou sobre a posição do pai em relação a campos de refugiados em Roraima. Em outra, anunciou entrevista em jornal da Federação Israelita. A terceira criticava aprovação de projeto do prefeito Marcelo Crivella (PRB-RJ) na Câmara do Rio. Ele também retuitou uma publicação do site Conexão Política sobre processo do seu pai contra o jornalista Marcelo Tas. A última publicação foi feita às 16h50, quatro horas e meia antes da execução da vereadora do PSOL. Logo, ele não postou nada “minutos depois” da morte de Marielle.

No dia seguinte, Carlos fez outros três tuítes: o primeiro, comentando entrevista do traficante Nem da Rocinha ao site do jornal El País. Outro criticando o YouTuber Arthur do Val, o Mamãe Falei. E, por último, a foto de uma criança na praia. Novamente, não publicou a imagem com a arma e as flores.

Essa informação também foi verificada pelos sites Aos FatosBoatos.org e e-Farsas.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

Leia também