Velocista bielo-russa diz que está sendo forçada a deixar Tóquio e as Olimpíadas

·1 minuto de leitura
Essa é a delegacia de polícia, dentro do aeroporto internacional de Haneda, em que a corredora bielo-russa supostamente está (Foto: Sergei Bobylev\TASS via Getty Images)
Essa é a delegacia de polícia, dentro do aeroporto internacional de Haneda, em que a corredora bielo-russa supostamente está (Foto: Sergei Bobylev\TASS via Getty Images)

A corredora bielo-russa Kristina Timanovskaya está sob proteção da polícia japonesa após o Comitê Olímpico Bielo-russo tentar, sem sucesso, mandá-la de volta para casa. Segundo ela, a atitude foi motivada porque ela criticou os seus técnicos, que a inscreveram para a prova errada. As informações são do jornal New York Times. 

Kristina utilizou o Instagram para dizer que havia procurado proteção japonesa porque tinha medo de sua segurança na Bielorrússia, onde o líder do país, Aleksander Lukashenko — que está no poder há 27 anos — procura abafar qualquer dissidência.

Leia também:

"Tenho medo de que, na Bielorrússia, me coloquem na cadeia", disse ela ao jornal independente Zerkalo.io. "Não tenho medo de ser demitida ou colocada para fora da seleção nacional. Estou preocupada com a minha segurança e acho que neste momento não é seguro para mim estar na Bielorrússia", completou.

O Comitê Olímpico Nacional da Bielorrússia, que tem como presidente o filho de Lukashenko, Victor Lukashenko, disse no domingo que Timanovskaya havia sido retirada dos Jogos Olímpicos por conta "do seu estado emocional e psicológico", após ter sido consultada por um médico. 

Ela nega as falas do Comitê Bielorusso e pede ajuda à Confederação Olímpica Internacional (COI). 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos