Veja a íntegra do discurso de Guilherme Boulos, após reconhecer a derrota em São Paulo

·6 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Guilherme Boulos (PSOL), 38, candidato derrotado na corrida pela Prefeitura de São Paulo, afirmou que sua campanha aponta para o futuro e serve de inspiração para o Brasil. "Vou trabalhar, a partir de agora, para o que a gente conseguiu construir e unir em São Paulo sirva de inspiração para o Brasil. Para ajudar a derrotar o atraso e o autoritarismo", afirmou. Diagnosticado com Covid-19 na sexta (27), Boulos passou o domingo isolado em casa e não foi votar. Ele falou brevemente da sacada de sua casa, no Campo Limpo (zona sul), e depois fez uma live nas redes sociais na noite deste domingo (29). * Discurso na sacada de sua casa: "Quero agradecer do fundo do coração a cada um e a cada uma que esteve junto nessa trajetória, nessa caminhada. A gente apontou o futuro. Não está terminando, está começando o futuro de um país sem autoritarismo, que combata o atraso. [Quero] agradecer de coração a cada um e a cada uma que acreditou, a cada um e a cada uma que segue acreditando, a todos que semearam esperança e amor. A gente vai ganhar, a gente vai vencer." Discurso em transmissão na internet: "Boa noite a todos, boa noite a todas. Eu quero agradecer, em primeiro lugar, as mais de duas milhões de pessoas que apostaram numa cidade mais justa e menos desigual, que hoje votaram 50 com muita esperança. O recado de mais de 40% da população de São Paulo é claro: dá para fazer política sem abrir mão dos nossos sonhos, dos nossos valores. Eu quero aqui cumprimentar o Bruno Covas [PSDB] e desejar que ele tenha sorte nos próximos quatro anos. E, acima de tudo, governe a cidade sabendo que uma imensa parcela da sociedade quer mudança. Quer que a periferia seja tirada do abandono, tenha vez e voz. O mandato que ele vai assumir a partir de janeiro não é um cheque em branco. Nós vamos fazer o nosso papel de cobrar e fiscalizar. A gratidão é um sentimento que demonstra que a gente sempre precisa dos outros. Ninguém conquista nada sozinho. Por isso, eu quero aqui fazer um agradecimento especial à Luiza Erundina [PSOL, candidata a vice], essa mulher incrível, guerreira, dona de uma energia e de uma garra que eu vi poucas vezes na vida. Eu tenho enorme orgulho de ter tido a Erundina ao meu lado nessa caminhada. E não tenho palavras para mais uma vez deixar a minha gratidão e meu amor à Natália [mulher], à Sofia e à Laura [filhas]. Sem o apoio da minha família, eu nunca teria chegado até aqui. Também quero agradecer a toda nossa equipe de campanha, que fez um trabalho impecável, tirando leite de pedra, numa verdadeira batalha de Davi contra Golias, em condições muito desiguais. Gente que se entregou de corpo e alma porque, desde o primeiro dia, acreditou que essa eleição era a chance para virar o jogo e semear um outro futuro. À militância do PSOL, do PCB, da UP, aos meus companheiros do MTST e do movimento social, quero agradecer a todos que foram às ruas, que acreditaram. Agradeço ainda a todos que nos apoiaram agora no segundo turno, ao Jilmar Tatto [PT], Orlando [Silva, PC do B], Marina Helou [Rede], que concorreram no primeiro turno e depois se somaram à nossa campanha. À militância do PT, do PC do B, da Rede, do PDT, do PSB, dos movimentos. A todos os partidos e apoios, que vão muito além da cidade de São Paulo, como o ex-presidente Lula [PT], Ciro Gomes [PDT]. Marina Silva [Rede] e Flávio Dino [PC do B]. Vou trabalhar, a partir de agora, para o que a gente conseguiu construir e unir em São Paulo sirva de inspiração para o Brasil. Para ajudar a derrotar o atraso e o autoritarismo. Vou estar à disposição, como sempre estive, das lutas do nosso povo, em São Paulo e no país, por democracia, justiça e direitos sociais. Nessa campanha nós não construímos apenas uma onda de esperança para a eleição desse domingo. Nós construímos muito mais, nós apontamos para o futuro. O que a gente viu nas ruas, nas redes, no olhar, é que muita gente voltou a ter esperança depois de tantas perdas. Essa foi a maior conquista da nossa campanha, o que mais me emocionou. Nós não vencemos essa eleição, mas ninguém perdeu a vontade de lutar por esse caminho para a gente seguir nos próximos anos, de "esperançar", como dizia o mestre Paulo Freire. Hoje não é o fim de uma caminhada, é o começo. O começo da vitória da solidariedade sobre a indiferença. O anúncio de uma política feita com amor, com verdade, com humanidade. Nós vamos, tenham a certeza, retomar no nosso povo a capacidade de sentir a dor dos que sofrem, de ver uma criança na rua e pensar que poderia ser um filho nosso, de vencer a frieza do cada um por si. Eu estou aqui porque acredito nesses valores. Esse dia não foi ainda hoje, mas vai chegar. Você, morador das favelas, da comunidade, que pega ônibus lotado todo dia, saiba que você não está sozinho. Você que hoje está vivendo nas ruas, que sempre encontrou as portas fechadas, que às vezes se sente invisível, você não está sozinho. Todos vocês saibam, São Paulo é muito grande, tem 12 milhões de pessoas, mas essa onda que a gente construiu mostrou que a gente pode estar junto. Ninguém mais vai estar sozinho. O que a gente viveu em São Paulo, nos últimos meses, é forte, é potente. A juventude está do nosso lado, a juventude quer mudança. Os jovens entenderam que a política pode sim ser um caminho capaz de mudar a vida das pessoas. E quando a juventude quer, quando o jovem se mobiliza, aí é só uma questão de tempo. Eu tenho muito orgulho da campanha que nós construímos juntos. E mais orgulho ainda de ter a certeza de que a gente chegou até aqui sem abrir mão dos nossos princípios, dos nossos valores. Os mais de dois milhões de votos que a gente recebeu hoje são a energia que a gente precisa para seguir lutando. O que eu aprendi em 20 anos de movimento social é que, quando a gente tem lado e sabe o que quer, a vitória vem. Digo olhando nos olhos de todos vocês: ela vai vir. Os mais de dois milhões de votos nesse domingo mostram que a gente está no caminho certo. É a força, é o ponto de partida para que a onda de esperança que a gente viu aqui, não fique só aqui. Que seja exemplo e inspiração para milhões de pessoas lutarem por um país mais justo, democrático e diverso. Nós vamos seguir lutando por uma sociedade onde ninguém more na rua, onde ninguém vire o lixo para poder comer. Uma sociedade onde ninguém seja morto pela cor da sua pele, onde as mulheres tenham os mesmos direitos que os homens, onde todas as formas de amor sejam respeitadas. Uma sociedade onde cada um de nós tenha oportunidade, justiça e tenha voz. Olhando para a história e para o futuro, não tenho dúvida alguma de que, apesar de agente não ter ganho essa eleição, a gente saiu vitorioso. É o início de um ciclo que se anuncia. Muito obrigado a todas e todos."