Vaticano diz não poder abençoar uniões homoafetivas: "Deus não pode abençoar o pecado"

·2 minuto de leitura
Foto: Tiziana Fabi/Pool photo via AP
Foto: Tiziana Fabi/Pool photo via AP

O Vaticano afirmou, nesta segunda-feira (15), que a Igreja Católica não pode abençoar as uniões entre pessoas do mesmo sexo. O motivo apresentado é de que Deus "não pode abençoar o pecado"

De acordo com "O Globo", o escritório ortodoxo do Vaticano respondeu formalmente a um questionamento que pedia ao clero católico para se posicionar sobre as benções envolvendo uniões homoafetivas.

Leia também:

Segundo o veículo, a resposta foi aprovada pelo Papa Francisco e emitida em um comunicado de duas páginas, publicado em sete idiomas diferentes. 

O posicionamento do Vaticano alega que a "benção de pessoas homossexuais" está mantida, o que não incluiria a suas uniões.

Para o Vaticano, os homossexuais devem ser tratados com dignidade e respeito, mas acredita que relações entre pessoas do mesmo sexo é "intrinsicamente desordenado". Na visão do ensino católico, o casamento entre um homem e uma mulher é parte do plano de Deus e tem como objetivo a criação de uma nova vida.

O comunicado ressalta que as uniões entre pessoas do mesmo sexo não têm esse objetivo estando, portanto, fora do plano. Assim, a Igreja se veria impossibilitada de abençoá-las. 

“A presença em tais relações de elementos positivos, que por si só devem ser valorizados e apreciados, não pode justificar essas relações e torná-las objetos legítimos de uma bênção eclesial, uma vez que os elementos positivos existem no contexto de uma união não ordenada ao plano do Criador”, diz um trecho do posicionamento oficial. 

O documento ainda fala que Deus "abençoa o homem pecador" para que ele reconheça que faz parte de seu plano de amor e se permita "ser mudado.

Em declarações vistas como mais progressistas, o Papa Francisco já se mostrou a favor a proteção legal a uniões homoafetivas, no que diz respeito à esfera civil.