Vasco informa que protocolou ofício na CBF protestando contra arbitragem no jogo diante do Bahia

LANCE!
·2 minuto de leitura


Nesta segunda-feira, o Vasco informou que protocolou um ofício, assinado pelo presidente Jorge Salgado, apresentando um protesto contra a atuação da equipe de arbitragem e VAR na partida diante do Bahia, no último domingo, em São Januário. Além disso, o clube solicitou uma reunião com a Comissão Nacional de Arbitragem da CBF.

Confira e simule a tabela do Brasileirão

De acordo com o clube, objetivo do ofício é apresentar evidências de falha da interpretação da arbitragem (fotos e vídeo) em três lances da partida, válida pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Confira o comunicado na íntegra:
O Club de Regatas Vasco da Gama informa que protocolou na data de hoje (01/02) ofício, assinado pelo presidente Jorge Salgado, apresentando protesto contra a atuação da equipe de arbitragem e VAR da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no confronto com o Bahia, neste domingo (31/01), em São Januário, válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, solicitando reunião com a Comissão Nacional de Arbitragem da entidade.

O objetivo do ofício é apresentar evidências de falha da interpretação da arbitragem (fotos e vídeo) em três lances da partida.

1) - Ultimo lance do primeiro tempo, quando o atleta Juninho Capixaba finaliza no gol e calça, sem intenção (assim como o lance da expulsão de Leandro Castán, que não teve intenção) - o atleta Marcelo Alves, com as travas da chuteira na altura da panturrilha;

2) Lance do segundo tempo, onde o goleiro Douglas comete falta dentro da área no atleta vascaíno Léo Matos, mas o arbitro alega que a bola já havia ultrapassado a linha de fundo e, por isso, não teria havido penalidade máxima, apontando para escanteio (as imagens que o Clube dispõe mostram que a bola não havia saído completamente).

3) Aos 25 minutos do segundo tempo, o lance em que o atleta vascaíno Martín Benítez sofre uma entrada violenta do atleta Gregore, que atinge a parte superior da coxa, já com a bola totalmente fora de disputa. Inconcebível o VAR não ter chamado o lance para revisão e consequente expulsão do atleta do Bahia.