Vanderlei já não é salvador da pátria, e Vasco precisa entender o real tamanho deste reforço

Fabio Utz
·2 minuto de leitura

Quando Vanderlei foi contratado pelo Grêmio, no início de 2020, não havia muitas dúvidas que, ali, estava chegando um goleiro para suprir uma carência importante no time titular. Um ano se passou, ele não se firmou e, agora, depois de rescindir seu vínculo em comum acordo, parte para o desafio de defender o Vasco da Gama na disputa da Série B.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O atleta, possivelmente, tenha sentido o período em que amargou a reserva de Everson enquanto vestia a camisa do Santos. E vamos combinar: é difícil, sim, voltar ao nível anterior, ainda mais para quem já tem uma certa idade (no caso dele, 37 anos). No Tricolor, se mostrou um goleiro inseguro e até sem muito poder de reação. Parecia levar a temporada com tranquilidade mesmo em um time que penava para apresentar um futebol minimamente convincente. Talvez por saber que não havia um substituto à altura? Talvez...

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

É natural afirmar que Vanderlei não é e não será mais o mesmo de quando teve seu nome cogitado (e com justiça), até, para a seleção brasileira. Mas, como se diz na gíria, ainda pode dar um caldo em determinadas situações. Apostar nele para ser o homem a liderar um sistema defensivo é demasiado arriscado para um clube grande. Porém, para uma segunda divisão (no chamado tiro curto) ou até para equipes com menos pressão e que gostem de jogadores experientes, não vejo mal algum. Só não se espere que Vanderlei seja o salvador da pátria de tempos atrás.

Para mais notícias do Vasco da Gama, clique aqui.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.